Softab Manutenção de Computadores Sorocaba

Manutenção de computadores sorocaba Técnico em TI sorocaba



Suporte de computação sorocaba tecnico de computador sorocaba



Manutenção de computadores sorocaba Técnico em TI sorocaba



Suporte de computação sorocaba tecnico de computador sorocaba



Notícias

RSS Feed - Notícias - Mantenha-se Informado


12/12 - Temer diz que PIB atingiria 3,5% em 2018 se não tivesse ocorrido a greve dos caminhoneiros
Paralisação de 11 dias bloqueou rodovias em todo país e afetou atividades que dependem do transporte rodoviário. Antes da greve, mercado projetava que PIB deste ano atingiria 2,18%. Michel Temer participa da cerimônia de entrega de medalhas da Ordem Nacional Barão de Mauá em evento no Palácio do Planalto Alan Santos, PR O presidente Michel Temer afirmou nesta quarta-feira (12), durante uma cerimônia no Palácio do Planalto, que o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro poderia ter atingido 3,5% se não tivesse ocorrido, em maio, a greve dos caminhoneiros que paralisou o país ao longo de 11 dias. Segundo Temer, por conta da paralisação, as estimativas de crescimento foram refeitas e, atualmente, a previsão é de que a economia do país oscile, em 2018, entre 1,4% e 1,6%. No entanto, antes de ser deflagrada a greve dos caminhoneiros, nenhuma previsão cogitava que o PIB poderia atingir o patamar de 3,5%. O Produto Interno Bruto é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir a evolução da economia. Em 2016, o PIB teve uma retração de 3,5%. Em 2017, cresceu 1% e encerrou a recessão no país. Antes da paralisação dos caminhoneiros, os economistas do mercado financeiro projetavam que a economia do Brasil fosse ficar em 2,18%. No primeiro momento após a greve, os economistas dos bancos revisaram as estimativas e corrigiram as previsões de crescimento para 1,94%. Em abril – um mês antes da paralisação –, o Fundo Monetário Internacional (FMI) projetava o Brasil fecharia o ano com um PIB positivo de 2,3%. Logo depois da greve a entidade internacional revisou a previsão de crescimento para 1,8%. O próprio governo não divulgava, antes da greve, previsão de crescimento do PIB acima de 3%. À época, o Ministério da Fazenda estimava que a economia iria crescer 2,5% em 2018. Passada a greve, a pasta revisou a estimativa de alta do PIB para 1,6%. O Banco Central também reduziu de 2,6% para 1,6% a previsão de crescimento após a paralisação. "Este ano, não fora a greve dos caminhoneiros, que criou, eu reconheço, um grande problema, nós iríamos a 3%, 3,5% do PIB. Mas vamos ter ainda ter um PIB positivo de 1,4%, 1,5%, 1,6%, mais ou menos isso", discursou Temer durante cerimônia, no Palácio do Planato, de medalhas da Ordem Nacional Barão de Mauá a pessoas que contribuíram para o desenvolvimento da indústria, comércio exterior e serviços do país. O Ministério da Fazenda calcula em R$ 15,9 bilhões o prejuízo à economia provocado pela paralisação dos caminhoneiros. Greve dos caminhoneiros Revoltados com o constante reajuste do preço do diesel nos postos de combustível, caminhoneiros de todos o país paralisaram, no final de maio, as atividades e fecharam rodovias de norte a sul durante 11 dias. A categoria reivindicava, entre outros pontos, valor mínimo para o frete e redução no preço do óleo diesel. Durante a greve, houve crise de abastecimento em todo o país. Faltaram combustível nos postos de gasolina e alimentos em mercados e feiras. Por escassez de querosene de aviação, aeroportos deixaram de funcionar. A greve também afetou serviços que dependem de locomoção nas estradas, como entrega de correspondências e transporte de cargas vivas. O setor pecuário foi um dos principais atingidos pela paralisação. Sem possibilidade de receber ração, criadores tiveram que sacrificar animais. Produtores de leite jogaram fora milhões de litros que não puderam ser transportados para o consumidor. Nas negociações para encerrar a greve, o governo federal entrou em um acordo com os caminhoneiros para reduzir em R$ 0,46 o preço do litro do diesel nos postos de combustível. O governo também prometeu para a categoria uma tabela com o preço mínimo do frete.
Veja Mais

12/12 - Com reformas, crescimento da economia pode ficar próximo de 3% em 2019, diz CNI
Pevisão está na edição especial do Informe Conjuntural – Economia Brasileira, que foi divulgado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) nesta quarta-feira. A economia brasileira poderá crescer 2,7% no ano que vem se o governo eleito fizer um ajuste duradouro nas contas públicas, por meio das reformas da Previdência e tributária, além de adotar medidas para melhorar o ambiente de negócios. A previsão consta na edição especial do Informe Conjuntural – Economia Brasileira, divulgado nesta quarta-feira (12) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). "As tarefas são urgentes. É hora de avançarmos mais decididamente na total remoção dos obstáculos ao crescimento, com o enfrentamento de questões antigas, como as graves distorções do atual sistema previdenciário, que está à beira da inviabilidade financeira, e a complexidade do sistema tributário", afirmou o presidente da entidade, Robson Braga. O crescimento de 2,7% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro em 2019, estimado com a realização das reformas estruturais, deverá ser impulsionado pela expansão de 3% da indústria e de 6,5% do investimento, avaliou a CNI. Inflação e juros De acordo com a entidade, a inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), deverá avançar de 3,8%, neste ano, para 4,1% em 2019 - ainda em linha com a meta central de 4,25% fixada para o ano que vem. A expectativa da entidade é de que a taxa básica de juros da economia, a Selic, fixada pelo Banco Central com base no sistema de metas de inflação, suba dos atuais 6,5% ao ano, a mínima histórica, para 7,5% ao ano. Essa também é a previsão do mercado financeiro. A balança comercial fechará 2019 com um saldo positivo de US$ 45 bilhões (exportações menos importações) no ano que vem, contra um saldo positivo de US$ 53 bilhões neste ano, de acordo com as previsões da CNI.
Veja Mais

12/12 - Seca afeta plantio de cana e Índia pode produzir menos açúcar em 2019/20
Queda pode ser de até 32 toneladas para 28 toneladas. Produção no país no ano comercial de 2017/18 foi recorde e ameaçou liderança de mercado do Brasil. Por falta de água, agricultores não estão conseguindo plantar cana em dois dos princiáis estados produtores da Índia Rupak De Chowdhuri/Reuters A produção de açúcar da Índia pode cair em 2019/20, à medida que os agricultores estão lutando para plantar cana por conta de uma seca em dois dos principais Estados produtores do país, segundo autoridades do setor e operadores. Uma queda na produção pode reduzir as exportações do país e sustentar os preços globais do adoçante, que caíram 15% até agora em 2018. "Muitos agricultores não conseguiram plantar cana em Maharashtra e Karnataka devido à escassez de água. Isso refletirá na produção do ano que vem", disse Prakash Naiknavare, diretor da Federação Nacional das Fábricas Cooperativas de Açúcar, um grupo comercial. A cana é uma cultura perene colhida entre 10 a 16 meses após o plantio. O Estado de Maharashtra, no oeste indiano, é o segundo maior produtor de açúcar do país, enquanto Karnataka, no sul do país, ocupa o terceiro lugar. A Índia é o segundo maior produtor global do adoçante. A produção da Índia durante o ano comercial de 2019/20 pode cair para entre 28 milhões e 29 milhões de toneladas, de 31,5 milhões a 32 milhões de toneladas na estimativa para este ano, disse Naiknavare. A produção de Maharashtra pode cair 16,7%, para 7,5 milhões de toneladas na próxima temporada, disse ele. A temporada de comercialização do açúcar vai de outubro a setembro. "Não temos água suficiente para a cana plantada no ano passado. O plantio em novas áreas não é possível", diz Shrikant Ingale, que planeja plantar cana em 2,8 hectares na aldeia de Mhada, cerca de 350 km a sudeste de Mumbai. Maharashtra recebeu chuvas 23% abaixo do normal este ano durante a temporada de monções de junho a setembro, enquanto o déficit de chuvas na região de cultivo de cana de Karnataka foi de 29% durante o período. A produção pode cair pela metade na parte central de Marathwada, em Maharashtra, onde as pessoas estão lutando para garantir água potável, disse BB Thombare, diretor-gerente da Natural Sugar & Allied Industries, uma usina de açúcar da região. Produção de açúcar da Índia ficará abaixo do previsto, diz indústria Outros desafios Fazendeiro mostra larvas brancas que atacam lavouras de cana de açúcar em fazenda no estado de Maharashtra, na Índia Rajendra Jadhav/Reuters Além da escassez de água, uma infestação de larvas reduzirá a produção na próxima temporada. Os agricultores geralmente mantêm uma soca, mas este ano muitos estão arrancando essas plantas por causa da infestação de larvas e da escassez de água, disse Sanjay Khatal, diretor da Federação de Fábricas Cooperativas de Açúcar de Maharashtra. A soca é a raiz da cana após a primeira colheita que permanece no solo para uma segunda colheita, mas que precisa ser removida para matar as larvas. Depois de uma produção recorde no ano de 2017/18, as usinas indianas estavam lutando para exportar o excedente e buscaram ajuda do governo para a venda no exterior e para apoiar os preços locais. Chegou-se até a especular que o país superaria o Brasil e se tornaria o maior produtor global de açúcar. Um declínio na produção de açúcar pode elevar os preços locais e levar o governo a suspender os incentivos à exportação, disse um comerciante de Mumbai com uma trading global. "Os embarques indianos seriam limitados na próxima temporada. As usinas acharão mais lucrativo vender no mercado local do que no exterior", disse o comerciante.
Veja Mais

12/12 - Eunício diz que votação de cessão onerosa depende do governo e que Guardia descumpre acordo
Presidente do Senado disse ainda que TCU tenta legislar sobre a questão; tribunal analisa projeto nesta quarta. Texto estabelece regras para leilão de excedente de petróleo na Bacia de Santos. O presidente do Senado, Eunício Oliveira, disse nesta quarta-feira (12) que a votação da cessão onerosa, travada no Congresso há alguns meses, depende do governo. Ele reclamou ainda de um suposto descumprimento de acordo pelo ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, o que teria emperrado o andamento do projeto. A cessão onerosa foi um acordo fechado em 2010 entre a União e a Petrobras, que permitiu à estatal do petróleo explorar, sem licitação, 5 bilhões de barris de petróleo em campos do pré-sal na Bacia de Santos. Um projeto que está para ser votado no Senado estabelece regras para leilão do excedente, mas não traz nada sobre a distribuição para estados e municípios. Segundo Eunício, o ministro se negou a assinar medida provisória que estabelecia a partilha de 20% dos valores obtidos com o leilão, mesmo depois de ter concordados com os termos. Guardia já se declarou contra a partilha dos recursos. “Eu fiz um entendimento para esse valor ser pequeno, ser de apenas 20%. Houve entendimento do ministro Guardia, entendimento do ministro da Fazenda do futuro [Paulo Guedes]. Falei com o presidente [eleito, Jair] Bolsonaro, conversei com o presidente da República Michel Temer. Todos concordaram em mandar a medida provisória” afirmou. “Inesperadamente, em uma reunião lá no Palácio, ele [Guardia] disse para o presidente que se recusava a assinar a medida provisória que dava o percentual de apenas 20%”, contou Eunício. O presidente do Senado também disse que o Tribunal de Contas da União (TCU) tenta substituir o Congresso Nacional na discussão sobre o projeto. Nesta quarta, o TCU analisa o processo de revisão do contrato de cessão onerosa entre governo e Petrobras. “Vi hoje nos jornais que o TCU está se substituindo ao Congresso dizendo que não tem partilha [de recursos com Estados e municípios]. Vamos ver o que vai acontecer no futuro. [...] O TCU é órgão fiscalizador, não é órgão legislador. Quem legisla é o Congresso Nacional num regime democrático”, declarou o presidente do Senado. Eunício disse ainda que não colocou para votar nenhuma pauta bomba desde a eleição de outubro. Ele vem sendo acusado de colocar em pauta projetos que comprometem o orçamento federal e de estados e municípios. “Não votei nenhuma matéria que eu considere uma pauta bomba”, disse Eunício. “Isso sim seria pauta bomba. Levar 100% desses valores [da cessão onerosa] a estados e municípios. E existe emenda nesse sentido”, declarou o presidente do Senado. Cerimônia em Brasília Eunício deu as declarações em uma cerimônia realizada no Ministério da Justiça nesta manhã. A solenidade, chamada de imposição da Ordem do Mérito da Segurança Pública, foi criada em setembro deste ano. Premia civis, militares, brasileiros e estrangeiros que, segundo o governo, prestaram relevantes serviços ao Ministério da Segurança Pública. Também podem ser condecoradas instituições civis e militares. Na lista de agraciados estão, alé, de Eunício, os presidentes do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli; da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ); do Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES), Dyogo Oliveira; a procuradora-geral da República, Raquel Dodge; os ministros do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Sérgio Etchegoyen; da Defesa, Joaquim Silva e Luna; e dos Direitos Humanos, Gustavo Rocha. Também receberam a condecoração os comandantes da Marinha, Exército e Aeronáutica, os senadores Antonio Anastasia (PSDB-MG), Fernando Collor (PTC-AL), o deputado Alberto Fraga (DEM-DF) entre outros. Ao ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, foi concedido o grau Grã Cruz, e ao diretor-geral da Polícia Federal, Rogério Galloro, o grau de Grande Oficial.
Veja Mais

12/12 - Preços ao consumidor dos EUA permanecem inalterados em novembro
Preços estão segurados por um forte declínio no preço da gasolina, mas as pressões inflacionárias permaneceram firmes em meio ao aumento dos aluguéis e dos custos de saúde Os preços ao consumidor dos Estados Unidos permaneceram inalterados em novembro, segurados por um forte declínio no preço da gasolina, mas as pressões inflacionárias permaneceram firmes em meio ao aumento dos aluguéis e dos custos de saúde. O Departamento de Trabalho informou nesta quarta-feira (12) uma leitura estável de seu índice de preços ao consumidor no mês passado, depois de subir 0,3% em outubro. Esta foi a leitura mais fraca em oito meses. Nos 12 meses até novembro, a inflação subiu 2,2%, desacelerando em relação ao aumento de 2,5% de outubro. Excluindo os componentes voláteis de alimentos e energia, a inflação aumentou 0,2%, igualando o ganho de outubro. Nos 12 meses até novembro, o chamado núcleo da inflação aumentou 2,2% após subir 2,1% em outubro. Economistas consultados pela Reuters previam que a inflação iria permanecer inalterada e o núcleo da inflação ganharia 0,2% em novembro.
Veja Mais

12/12 - Google 'não tem planos' de lançar ferramenta de busca na China, diz presidente
Empresa está bloqueada no país desde 2010, mas vem tentando fazer novas incursões . EUA temem que empresa compra políticas de censura e vigilância na internet se voltar para esse mercado. O presidente-executivo do Google, Sundar Pichai, presta depoimento em painel no Congresso dos EUA Jim Young/Reuters O Google "não tem planos" para relançar um mecanismo de busca na China ainda que continue a estudar a ideia, disse o presidente-executivo, Sundar Pichai, a um painel do Congresso dos Estados Unidos na terça-feira (11). Legisladores e funcionários do Google têm levantado preocupações de que a empresa cumpra as políticas chinesas de censura e vigilância na internet se voltar a entrar no mercado de mecanismos de busca do país asiático. O Google está bloqueado na China desde 2010, mas a unidade da Alphabet vem tentando fazer novas incursões no país, que tem o maior número de usuários de smartphones do mundo. "Neste momento, não há planos para lançar uma plataforma de buscas na China", disse Pichai ao Comitê de Justiça da Câmara dos Deputados dos EUA. Mas o executivo acrescentou que, internamente, o Google "desenvolveu e analisou como a ferramenta poderia se parecer. O projeto já está em andamento há algum tempo. Em determinado momento, já tivemos mais de 100 pessoas trabalhando nisso". Ele já tinha reconhecido a existência desse programa em outubro. 'Busca sob censura': por que o suposto plano do Google para chegar à China é polêmico Pichai disse que não há discussões atuais com o governo chinês. Ele prometeu que seria "totalmente transparente" com os legisladores se a empresa levasse produtos de pesquisa para a China. Uma autoridade do governo chinês, falando sob condição de anonimato, disse à Reuters no mês passado que é improvável que o Google obtenha autorização para lançar um serviço de busca em 2019. O parlamentar democrata David Cicilline disse a Pichai que é "difícil imaginar que você pudesse operar no mercado chinês sob a atual estrutura do governo e manter um compromisso com valores universais, como liberdade de expressão e privacidade pessoal". O presidente-executivo do Google, Sundar Pichai, durante depoimento em painel no Congresso americano Jim Young/Reuters Viés político Grande parte da audiência da Câmara concentrou-se nas preocupações republicanas de que os resultados de buscas do Google são tendenciosos contra os conservadores e que a empresa tentou influenciar o resultado da eleição presidencial de 2016. Os democratas rejeitaram essa afirmação. Pichai disse que o mecanismo de busca tenta ajudar as pessoas a se registrarem para votar ou encontrar um local de votação, mas negou as afirmações de que a empresa pagou pelo transporte de eleitores latinos até pontos de votação. "Não nos envolvemos em atividades partidárias." O executivo também negou que a companhia tenha vendido dados de seus usuários, mas reconhece que tem acesso às suas preferências por meio de palavras-chaves buscadas.
Veja Mais

12/12 - Para destravar megaleilão de petróleo, é preciso de aprovação de lei, diz ministro da Fazenda
Tribunal de Contas da União avalia nesta quarta-feira o contrato de cessão onerosa entre o governo e a Petrobras. Eduardo Guardia diz que leilão não deve ocorrer até o fim deste ano. O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia Gustavo Raniere/MF O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, afirmou nesta quarta-feira (12), durante café da manhã com jornalistas, que o megaleilão de petróleo envolvido na cessão onerosa depende da aprovação do projeto de lei que permite à Petrobras transferir para outras empresas até 70% dos direitos de exploração de 5 bilhões de barris. A urgência para votação do projeto foi aprovada no Senado em novembro deste ano. Nesta quarta-feira, o Tribunal de Contas da União (TCU) avaliará o processo. A cessão onerosa permitirá a realização de um megaleilão de petróleo, cujos valores podem chegar a R$ 100 bilhões de arrecadação. Segundo o ministro, o leilão não deve acontecer até o final deste ano. "Encaminhamos um projeto de lei, está em discussão no Congresso Nacional, não foi aprovado até este momento. Então, este tema ficará para o próximo ano", afirmou. O que está em discussão? O acordo de 2010 que permitiu à Petrobras explorar os 5 bilhões de barris no pré-sal foi feito para capitalizar a empresa. Em troca, a estatal pagou à União R$ 74,8 bilhões. Nos anos seguintes, porém, a cotação do barril de petróleo caiu muito, motivada por tensões geopolíticas e preocupações quanto ao desempenho da economia, entre outros fatores. Por causa disso, a Petrobras alega que pagou à União um valor muito alto no acordo de 2010, e avalia que tem direito de ser ressarcida. Esse é um dos pontos da discussão travada agora. O outro ponto trata do excedente de petróleo existente nessas áreas exploradas pela Petrobras. Ou seja, há nessas áreas muito mais do que os 5 bilhões de barris que o contrato garantiu à estatal. Uma parte desse excedente o governo pode repassar à Petrobras para cobrir o ressarcimento a que a empresa diz ter direito. O restante será ofertado no megaleilão que o governo quer fazer ainda neste ano – cujo valor pode chegar, ou até mesmo ultrapassar, os R$ 100 bilhões. Leilão e divisão com os estados O ministro da Fazenda afirmou que, por conta da necessidade de aprovação da lei pelo Congresso Nacional, identificada por sua equipe, o leilão do excedente da cessão onerosa não deve acontecer neste ano. "Esse tema vai muito além do fiscal [contas públicas]. É uma enorme oportunidade de investimento para o país. Para extrair esse óleo que está la embaixo, precisa fazer investimentos. Criamos as condições. Precisa aprovar a lei. Isso não será feito até 31 de dezembro de 2018", declarou. Para ele, para que seja possível dividir esses recursos com estados e municípios, é preciso compensar com corte de outras despesas – pois os gastos já estão orçados no limite previsto por lei para o ano de 2019 – de acordo com a regra do teto de gastos. "Por ser uma receita da união, a transferência para estados e municípios, está dentro do teto de gastos. Portanto, se houver compartilhamento com estados e municípios, será necessário compensação", afirmou. Para que essa despesa seja computada como "extrateto" e seja possível dividí-la com estados e municípios sem descumprimento do novo regime fiscal, Guardia avaliou que teria de ser aprovada uma proposta de emenda constitucional (PEC) pelo Congresso Nacional.
Veja Mais

12/12 - Inúbia Paulista abre vaga de médico para trabalhar no Programa Saúde da Família com salário de R$ 11 mil
Profissional terá que cumprir jornada de 40 horas por semana. Inscrições vão até o dia 17 de dezembro. A Prefeitura de Inúbia Paulista abriu um processo seletivo para preencher uma vaga para o cargo de médico para atuar no PSF (Programa Saúde da Família). O salário é de R$ 11.085,52 para 40 horas semanais. As inscrições serão feitas exclusivamente via internet, no site, até o dia 17 de dezembro de 2018. A taxa de inscrição é de R$ 85,00. Mais informações podem ser conferidas no edital. Confira outras oportunidades: Dracena A Unesp de Dracena segue com inscrições abertas para selecionar professor assistente doutor nas disciplinas de Agricultura de Cereais, Produção e Tecnologia de Sementes e Beneficiamento e Armazenamento de Grãos, que vão atuar no curso de Engenharia Agrônomica da Faculdade de Ciências Agrárias e Tecnológicas. Os salários variam de R$ 10.515,42 a R$ 12.536,48, de acordo com referência, em jornada de trabalho de 40h semanais. Interessados em participar, devem realizar inscrições até 18 de dezembro de 2018, na Seção Técnica de Desenvolvimento e Administração de Recursos Humanos do campus de Dracena, localizada na Rodovia Comandante João Ribeiro de Barros - SP-294, Km 651, das 8h às 11h e das 14h às 17h, em dias úteis. O valor da taxa de inscrição é de R$ 95,50, e deverá ser efetuado na Seção Técnica de Contabilidade e Finanças do campus de Dracena ou cópia de comprovante de depósito bancário especificado no edital, para inscrição via Correios. Todos os candidatos serão classificados mediante a realização da prova de títulos, prova didática e por prova de arguição sobre o projeto de pesquisa. Este concurso é válido por seis meses, podendo ser prorrogado uma única vez, por igual período, a critério da administração da universidade, conforme descrito no edital de abertura disponibilizado no site. Acesse o edital aqui. Flórida Paulista Em Flórida Paulista tem concurso para preencher 16 vagas, mais cadastro reserva, para profissionais de níveis fundamental, médio e superior, com salários de até R$ 2.919,29. A carga horária varia de 10h a 40h semanais. São sete vagas para escriturário, farmacêutico, fonoaudiólogo, nutricionista, médico pediatra, médico psiquiatra, procurador jurídico e professor PEB II – Inglês. Confira o edital. Um outro processo seletivo oferece nove vagas para gari, cozinheira, auxiliar de desenvolvimento infantil, auxiliar de enfermagem, cuidador da saúde, coordenador de creche, professor PEB II - Arte, psicopedagoga e terapeuta ocupacional. Há também oportunidades para inspetor de alunos, motorista, operador de máquinas pesadas e agente comunitário de saúde. Para participar deste processo, os interessados precisam se inscrever até o dia 26 de dezembro de 2018, exclusivamente no site. A taxa de inscrição vai de R$ 15 a R$ 40. Após as contratações, os profissionais vão atuar em jornadas de 40h semanais, com salários que variam de R$ 1.098,14 a R$ 1.584,45. Mais informações no edital. Lucélia A Prefeitura de Lucélia faz concurso público para contratar 11 profissionais em cargos de níveis médio e superior. As chances são para auxiliar em enfermagem, inspetor de alunos, médico (ginecologista, clínico geral e pediatra), fonoaudiólogo, monitor desportivo e agente de fiscalização ambiental. Os salários variam de R$ 982,62 a R$ 10.876,28. Será admitida a inscrição apenas via internet, até dia 27 de dezembro. Mais informações no edital.
Veja Mais

12/12 - Exportação de café verde do país cresce 25,9% em novembro, diz Cecafé
Expectativa é de que 35 milhões de sacas sejam exportadas no ano. Produção estimada para 2018 é recorde, segundo IBGE. Volume de café embarcado em outubro pelo Brasil foi recorde, de 3,6 milhões de sacas Reprodução/TV Rio Sul As exportações de café verde do Brasil, maior produtor e exportador global da commodity, somaram 3,4 milhões de sacas em novembro, alta de 25,9% na comparação anual, mas abaixo do recorde de 3,6 milhões de sacas registrado em outubro, informou na segunda-feira (11) o Cecafé. Conforme o Conselho dos Exportadores de Café do Brasil, em novembro o país embarcou cerca de 3,2 milhões de sacas de café arábica (alta de 18,9%) e 234 mil sacas de robusta (alta de 541,9%). "O bom desempenho das exportações de café em novembro reforça que, se não houver nenhum imprevisto em dezembro, vamos fechar o ano civil registrando cerca de 35 milhões de sacas exportadas. Esse volume retrata a recuperação do Brasil em relação ao ano anterior, com cerca de 13% de incremento nas exportações", afirmou o presidente do Cecafé, Nelson Carvalhaes, em relatório. O momento é de colheita recorde de café no país. Também na segunda, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) aumentou a estimativa de produção da commodity neste ano em 1,7% , para 59,6 milhões sacas de 60 kg (ou 3,6 milhões de toneladas). "A gente nunca produziu tanto café. Tem dois fatores aí. No caso do café arábica, tem a bianualidade da produção. E para as duas qualidades, as condições climáticas foram muito favoráveis", disse Carlos Alfredo Guedes, gerente da pesquisa do instituto.
Veja Mais

12/12 - Incentivos para superintendências regionais podem custar R$ 17,5 bilhões em 5 anos, diz Fazenda
Ministro da Fazenda estima impacto de mudanças em incentivos para Sudam, Sudene e Sudeco em R$ 3,5 bilhões por ano; recursos não estão previstos no orçamento de 2019, informou. O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, afirmou nesta quarta-feira (12) que a prorrogação e concessão de novos incentivos para três superintendências regionais podem gerar uma perda de arrecadação de R$ 17,5 bilhões em cinco anos. Os benefícios para a Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (Sudam), a Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) foram aprovado pela Câmara dos Deputados nesta terça-feira (11), com validade até 2023,ou seja, por cinco anos. Pela proposta, o benefício fiscal poderá ser estendido a empreendimentos nas áreas da Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco). Como o projeto já foi aprovado pelo Senado e não foi modificado pela Câmara, seguirá para sanção presidencial. Guardia afirmou que a perda de arrecadação de R$ 3,5 bilhões, em 2019, não está prevista na lei orçamentária anual. Por isso, teria de ser compensada por meio de aumentos de outros tributos, ou redução de benefícios tributários. "A medida [aprovada pelo Congresso Nacional] não foi acompanhada dessa compensação", disse, durante um café da manhã com jornalistas, em Brasília. Por conta disso, o ministro da Fazenda afirmou que vai avaliar se recomendará ao presidente Michel Temer o veto aos novos benefícios fiscais. "Se ficar caracterizado que não está adequado à LRF [Lei de Responsabilidade Fiscal, que determina a compensação], a gente tem de recomendar o veto. A equipe técnica está avaliando isso", declarou. Ele explicou que, além dos incentivos já concedidos à Sudam e à Sudene, também foi aprovada pelo Congresso Nacional a possibilidade de novos benefícios. Além disso, também foi incluída no texto a Sudeco - ampliando as perdas de arrecadação antes estimadas pela equipe econômica. Projeto A Sudam e a Sudene envolvem 20 estados: Alagoas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Sergipe, Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins. Pelas regras em vigor, as empresas que constroem ou modernizam empreendimentos nessas áreas podem obter redução de até 75% do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ). O incentivo terminaria no fim deste mês. Pela proposta, o benefício fiscal poderá ser estendido a empreendimentos nas áreas da Sudeco, que abrange Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e o Distrito Federal.
Veja Mais

12/12 - 'Não vejo problema algum em fatiar a reforma da Previdência’, diz secretário do Tesouro
Mansueto Almeida, que permanecerá na equipe do governo eleito, disse que, apesar de não haver consenso, há grande possibilidade de aprovação da reforma em 2019. secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, em evento em SP nesta quarta (12) Taís Laporta/G1 O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, afirmou nesta quarta-feira (12) que a reforma da Previdência tem grandes chances de ser aprovada em 2019 e acrescentou não ver “problema algum” se ela for fatiada, hipótese sugerida pelo governo eleito. Almeida, que assumiu o cargo em abril deste ano, vai permanecer na equipe econômica do presidente eleito, Jair Bolsonaro, que terá início em 2019. Fatiamento da reforma Ao contrário do atual ministro da Fazenda, Eduardo Guardia - que na véspera declarou que o fatiamento da reforma não resolve o problema -, Almeida disse não ver “problema algum com o fatiamento” que Bolsonaro pretende sugerir ao Congresso. Segundo ele, isso pode significar “várias coisas”, como separar a reforma do Regime Geral (INSS) e dos servidores da criação de uma sistema de capitalização, que viria depois. “Há uma grande possibilidade de se aprovar a reforma da Previdência em 2019, até porque se não houver reforma, não haverá ajuste fiscal”, afirmou a jornalistas durante evento em São Paulo. Para o secretário do Tesouro, ainda não há um consenso para a reforma da Previdência na sociedade quanto a mudanças necessárias, citando a idade mínima para a aposentadoria e a regra de transição. Elevação de impostos Sobre a recomendação da Fazenda de elevar impostos caso a reforma não seja aprovada, Almeida apontou que tanto o governo atual quanto o eleito deixaram claro que não querem aprovar impostos e o desafio é conseguir cumprir o teto de gastos para voltar a gerar superávit (arrecadação maior que despesas). “Acho que o atual governo falou e o próximo também em rever alguns benefícios tributários que não trazem os benefícios esperados quando eles foram conseguidos”, disse.
Veja Mais

12/12 - Eurocâmara aprova importante acordo comercial com o Japão
Acordo permite à UE reforçar seu papel de defensora do livre comércio, num momento em que o multilateralismo é mais questionado do que nunca pelos EUA e quando o cenário de um Brexit sem acordo preocupa os europeus. A Eurocâmara aprovou nesta quarta-feira (12) um ambicioso acordo comercial entre a União Europeia e o Japão, apresentado como um símbolo positivo contra o protecionismo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e a crise política ligada ao Brexit. Por 474 votos a favor, 152 contra e 40 abstenções, os eurodeputados reunidos em Estrasburgo (nordeste da França) aprovaram este acordo comercial que a UE apresenta como "o mais importante do mundo". A conclusão deste acordo permite à UE reforçar seu papel de defensora do livre comércio, num momento em que o multilateralismo é mais questionado do que nunca pelos Estados Unidos e quando o cenário de um Brexit sem acordo preocupa os europeus. E o acordo também poderá servir de base para um possível tratado comercial com o Reino Unido depois do Brexit. Sua entrada em vigor está prevista para 1º de fevereiro de 2019.
Veja Mais

12/12 - CPAT oferece 70 vagas de emprego com salários de até R$ 3,5 mil na região de Campinas
Confira a lista completa, que inclui oportunidades para pessoas com deficiência. Saiba como se candidatar. carteira de trabalho emprego ctps oportunidade desemprego Fernando Madeira/Divulgação O Centro Público de Apoio ao Trabalhador (CPAT) está com 70 vagas de emprego para a região de Campinas (SP), nesta quarta-feira (12). A lista inclui oportunidades para pessoas com deficiência (PCD). Os salários chegam a R$ 3,5 mil. As vagas são para todos os gêneros. A maioria dos cargos exigem de três a seis meses de experiência na função. Além disso, as oportunidades exigem formação em ensino fundamental, médio ou superior, dependendo do cargo. [Veja a lista completa de vagas abaixo] Para se candidatar, é necessário comparecer a uma das unidades do CPAT para análise de perfil e cadastro, levando RG, CPF, Carteira de Trabalho e o número do PIS. O CPAT avisa que as vagas estão sujeitas a alterações. Para mais informações sobre as ocupações, acesse o site do órgão. Confira a lista completa de vagas Açougueiro (a) - 1 vaga Analista de recursos humanos (júnior) - 1 vaga Auxiliar administrativo (PCD) - 1 vaga Auxiliar de cozinha - 1 vaga Auxiliar de escrituração fiscal - 1 vaga Auxiliar de limpeza - 11 vagas (16) Auxiliar de logística - 1 vaga Conferente de mercadoria - 10 vagas Contador (a) - 1 vaga Costureira (o) de máquina industrial - 3 vagas Desossador (a) - 1 vaga Forneiro (a) de padaria - 1 vaga Gerente de supermercado - 1 vaga Instalador (a) de equipamentos - 4 vagas Jardineiro (a) - 2 vagas Motorista carreteiro (a) - 4 vagas Motorista de caminhão (Munck) - 1 vaga Operador (a) de caixa - 8 vagas Operador (a) de motosserra - 1 vaga Operador (a) de telemarketing - 2 vagas Operador (a) de vendas (PCD) - 1 vaga Porteiro (a) - 1 vaga Promotor de vendas - 2 vagas Subgerente de supermercado - 1 vaga Técnico (a) de enfermagem - 1 vaga Técnico (a) de informática - 1 vaga Vendedor (a) de consórcio - 6 vagas Vendedor (a) de materiais de construção - 1 vaga Serviço Unidade Centro Avenida Campos Sales, 427 – Centro, Campinas, SP. Horário de funcionamento - Segunda a sexta-feira, das 8h às 18h. Unidade Ouro Verde Rua Armando Frederico Renganeschi, 197, Jd. Cristina. Horário de funcionamento - Segunda a sexta-feira, das 8h às 16h. Unidade Campo Grande Rua Manoel Machado Pereira, 902 (em frente à Praça da Concórdia). Horário de funcionamento - Segunda a sexta-feira, das 8h às 16h. Veja mais oportunidades de emprego da região no G1 Campinas
Veja Mais

12/12 - Movimento de 'coletes amarelos' faz vendas de final de ano despencarem na França
Em Paris, o comércio varejista é o setor que mais sente os impactos dos protestos. A queda nas vendas pode ser medida pelo comportamento dos consumidores. Um terço dos franceses reduziu ou simplesmente desistiu das compras de Natal por causa do fechamento de lojas ou por medo de violência. Homens instalam placa de madeira em vitrine de loja na avenida Champs-Elysees na sexta-feira (7), véspera de novos protesto dos coletes amarelos em Paris Francois Mori/ AP Photo Às vésperas do Natal, lojistas, restaurantes e redes de supermercados da capital francesa viram os clientes desaparecerem depois de quatro sábados consecutivos de protestos e confrontos nas ruas de Paris. Para evitarem saques e depredações, as principais lojas de departamento da cidade – Galeries Lafayette, Le Bon Marché, BHV e Printemps estão preferindo fechar as portas, em meio à época mais importante para o comércio do ano. A famosa avenida Champs-Elysées, local dos principais atos dos "coletes amarelos" na capital francesa, é a região mais afetada. "Estamos no mês de dezembro, o que corresponde a 25% dos negócios anuais. Até o momento, nós fechamos todos os sábados do mês, o que significa que nós vamos encolher até 5% nas vendas totais do ano", afirmou Edouard Lefebvre, diretor da associação de comerciantes da Champs-Elysées. O ministro da Economia francês, Bruno Le Maire, considerou a situação como uma "catástrofe para comércio". Consumidores franceses mudam de comportamento Uma pesquisa realizada pelo instituto Opinion Way mostra que 56% dos franceses vão mudar o hábito de consumo neste final de ano por causa do fechamento de lojas e por medo de atos de violência. Os dados revelam que 29% dos consumidores não vão frequentar as lojas físicas e 43% vão privilegiar as compras pela internet. Nas ruas de Paris, não é difícil encontrar pessoas preocupadas com os efeitos negativos das manifestações. “Os protestos particularmente não me incomodaram porque eu estava trabalhando mas, sinceramente, eu acho uma pena. Os confrontos criaram um ambiente um pouco triste e deprimente. Aos sábados é um pouco complicado e vamos ter que nos organizar de forma diferente”, lamentou a parisiense Murielle Carpentier. Mãe de duas crianças, Audrey Aivry também decidiu comprar menos neste Natal e priorizar apenas quem mais importa na hora de comprar o presente. “Na verdade, nós fomos obrigados a tomar cuidado e nos privarmos um pouco. A gente faz as compras para as crianças e não para a gente", contou a dona de casa. Turismo também é afetado pelos "coletes amarelos" Além do comércio, o setor do turismo também sofre com a queda de clientes. Em alguns hotéis, a redução no número de reservas chega a 50%, em relação ao mesmo período do ano passado. Os profissionais do setor estão tendo que se adaptar para manter os quartos cheios nesse final de ano. “A região ficou agitada. Para os clientes que já estavam hospedados antes, nós os prevenimos e eles não quiseram ir embora. Eles mantiveram as reservações até depois do protesto e tudo passou bem”, contou Dominique Lemare, gerente de um hotel no centro de Paris. Apesar das medidas anunciadas pelo presidente Emmanuel Macron para tentar conter os "coletes amarelos", novos atos estão previstos para o próximo sábado (15), o que deve acentuar ainda mais as perdas do comércio neste final de ano turbulento na França. Initial plugin text
Veja Mais

12/12 - Bovespa avança com melhora externa
No dia anterior, o Ibovespa avançou 0,59%, a 86.419 pontos. Painel eletrônico na Bovespa, em São Paulo Paulo Whitaker/Reuters O principal índice da bolsa brasileira, a B3, opera em alta nesta quarta-feira (12), acompanhando o viés de praças acionárias no exterior e a alta dos preços de commodities, com sinais de algum alívio nas tensões comerciais entre EUA e China favorecendo o apetite a risco, segundo a Reuters. Às 12h38, o Ibovespa subia 1,08%, a 87.374 pontos. Veja mais cotações. A sessão também é marcada pelo vencimento dos contratos de opções sobre o Ibovespa e do índice futuro. "O clima dos mercados internacionais é positivo...com os investidores reagindo ao tom mais conciliatório do presidente norte-americano Donald Trump em relação à disputa comercial com a China", disse a corretora Ágora em nota a clientes. Em entrevista à Reuters, Trump disse que pode intervir junto ao Departamento de Justiça norte-americano no caso contra uma executiva da chinesa Huawei Technologies, se isso ajudar a garantir um acordo comercial com Pequim. Ainda no exterior, também está no radar o eventual desfecho de um voto de desconfiança sobre a primeira-ministra britânica, Theresa May, que pode ser destituída se 158 dos 315 parlamentares de seu partido votarem contra ela. No Brasil, sessão no Tribunal de Contas da União (TCU) sobre a revisão do contrato de cessão onerosa entre União e Petrobras tende a ser monitorada à tarde antes da decisão de juros do Banco Central após o fechamento do pregão. Destaques As ações da Petrobras, Vale, Itaú Unibanco e Bradesco, com grande relevância no índice, tinham forte valorização. A Petrobras era favorecida pela alta dos preços do petróleo no exterior e antes de sessão no TCU sobre o contrato de cessão onerosa com a União. A Vale era ajudada ainda pela elevação dos preços do minério de ferro na China, com ações de mineradoras em alta na Europa. Papéis de siderúrgicas também subiam, com Usiminas figurando entre os destaques positivos do Ibovespa. A Sabesp tinha forte alta, após assinar contrato para prestação de serviços em Guarulhos, segunda maior cidade paulista e que tem uma dívida de cerca de 3 bilhões de reais com a companhia. Itaú Unibanco e Bradesco eram favorecidos com o setor de bancos como um todo no azul dado o cenário mais positivo no mercado. No dia anterior, o Ibovespa avançou 0,59%, a 86.419 pontos. Nos últimos três pregões, o Ibovespa acumulou queda de 3,5%, afetado particularmente por preocupações com o ritmo do crescimento global.
Veja Mais

12/12 - Petrobras eleva em 1,12% preço da gasolina nas refinarias
Preço do litro do produto passará de R$ 1,5942 para R$ 1,6121 a partir desta quinta-feira (13); alta acumulada no mês chega a 7,42%. Refinaria Presidente Bernardes (RPBC), da Petrobras, em Cubatão, SP José Claudio Pimentel/G1 A Petrobras anunciou nesta quarta-feira (12) que vai aumentar em 1,12% o preço médio da gasolina em suas refinarias. Com isso, o preço do litro do produto passará de R$ 1,5942 para R$ 1,6121 a partir desta quinta-feira (13). Na segunda-feira, a estatal já havia anunciado um reajuste de 2,3% no preço da gasolina. Com mais esse reajuste, a alta acumulada no mês já chega a 7,42%. Em novembro, porém, o preço médio da gasolina nas refinarias recuou 17%. A cotação da gasolina havia fechado novembro em R$ 1,5007 por litro, menor patamar desde fevereiro e 33,3% inferior à máxima de R$ 2,2514 observada em setembro, destaca a Reuters. O repasse do reajuste para o preço final pago pelos consumidores depende de distribuidores, revendedores, impostos, além da mistura obrigatória de etanol anidro na composição da gasolina vendida nos postos. O aumento do preço da gasolina nas refinarias ocorre em meio a uma alta do dólar frente ao real na semana, que encarece as importações, e também em função de uma relativa recuperação do preço do barril de petróleo. A Petrobras adota novo formato na política de ajuste de preços desde 3 de julho do ano passado. Pela nova metodologia, os reajustes acontecem com maior periodicidade, inclusive diariamente. A política leva em consideração o câmbio e também os preços do petróleo no mercado internacional, além de outros fatores. Quanto ao diesel, o preço médio permanecerá em R$ 1,7984 por litro até 15 de dezembro, em meio ao programa de subvenção do governo federal. Preço nas bombas O preço médio da gasolina para o consumidor terminou a semana passada em queda de 2,3%, de acordo com pesquisa semanal da Agência Nacional do Petróleo, do Gás Natural e dos Biocombustíveis (ANP). O valor médio por litro passou de R$ 4,505 para R$ 4,402.(ANP). No ano, o preço médio da gasolina nas bombas acumula alta de 7,76%, também considerando a média calculada pela ANP. A variação é maior que a inflação esperada para o ano todo.
Veja Mais

12/12 - Trump diz que China está 'de volta ao mercado' por soja dos EUA
Presidente dos EUA disse que negociações comerciais com Pequim já estão sendo feitas por telefone e que são aguardadas mais reuniões entre autoridades dos dois países. Soja voltou a ser vendida após trégua em 1º de dezembro na guerra comercial envolvendo Washington e Pequim. Getty Images via BBC O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse na terça-feira (11) que a China está comprando uma "enorme quantidade" de soja norte-americana e que negociações comerciais com Pequim já estão sendo feitas por telefone, acrescentando que são aguardadas mais reuniões entre autoridades dos dois países. Entenda a guerra comercial e seus possíveis impactos Trump disse à Reuters em uma entrevista que o governo chinês está "de volta ao mercado" para comprar soja dos EUA depois de uma trégua em 1º de dezembro na guerra comercial envolvendo Washington e Pequim. Operadores em Chicago, no entanto, disseram não ter visto nenhuma evidência de uma retomada de tais compras após a imposição de uma tarifa de 25% sobre a soja dos EUA em julho. "Acabei de ouvir hoje que eles estão comprando enormes quantidades de soja. Eles estão começando, apenas começando agora", afirmou Trump na entrevista. Trump também disse acreditar que a China reduzirá em breve as tarifas dos automóveis norte-americanos para 15%, em relação aos atuais 40%. "Eu acho que eles estão querendo fazer isso imediatamente, muito rapidamente", disse. Um funcionário do governo Trump disse à Reuters que o plano da China para cortar as tarifas de automóveis foi esboçado em um telefonema entre o vice-premiê chinês, Liu He, o representante de Comércio dos EUA, Robert Lighthizer, e o secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin. Vendas da soja atendidas Os dados do governo dos EUA não mostram nenhuma venda de soja para a China desde julho, quando Pequim impôs tarifas sobre o fornecimento de oleaginosas dos EUA em retaliação aos impostos dos EUA sobre produtos chineses. Traders vêm observando atentamente por sinais de confirmação de uma retomada das compras chinesas de soja dos EUA, particularmente depois que Trump tuitou na manhã de terça-feira que "conversas muito produtivas" estavam acontecendo com a China. "Preste atenção em alguns anúncios importantes!", acrescentou. Os futuros de soja na Bolsa de Chicago avançaram na terça-feira, com a esperança de que novos acordos fossem assinados em breve, mas não havia sinais de aumento de atividade nos mercados à vista, disseram operadores. As normas do Departamento de Agricultura dos EUA exigem que os exportadores relatem imediatamente as vendas de 100 mil toneladas ou mais de uma commodity em um único dia. No ano passado, a China comprou cerca de 60% das exportações de soja dos EUA em transações avaliadas em mais de US$ 12 bilhões. Com as exportações perdidas, os preços da soja caíram para o menor patamar em uma década, sobrecarregando os fazendeiros norte-americanos, um importante eleitorado dos Trump. Trump e o presidente chinês, Xi Jinping, pediram uma trégua temporária em sua guerra comercial em 1º de dezembro. Trump concordou em adiar por 90 dias o aumento previsto para 1º de janeiro nas tarifas sobre produtos chineses enquanto os dois lados negociam o aumento das compras chinesas de produtos agrícolas dos EUA, entre outros pontos. Trump disse na terça-feira que essas negociações já estavam acontecendo por telefone. "Provavelmente teremos outra reunião. E talvez uma reunião das principais pessoas de ambos os lados", disse Trump. "Se for necessário, vou ter outra reunião com o presidente Xi, de quem gosto muito e com quem me dou muito bem." Trump não ofereceu nenhum cronograma para novas reuniões face a face entre autoridades americanas e chinesas. Ele disse que esperaria para aumentar as tarifas sobre produtos chineses para 25%, de 10%, até que se torne evidente se os Estados Unidos e a China podem fazer um acordo. Entenda a 'guerra comercial' Igor Estrella/G1
Veja Mais

12/12 - Dólar recua abaixo de R$ 3,90 com alívio das tensões comerciais no exterior
No dia anterior, a moeda norte-americana avançou 0,64%, vendida a R$ 3,920. Notas de dólar Gary Cameron/Reuters O dólar opera em queda nesta quarta-feira (12), acompanhando a trajetória da moeda no mercado internacional em dia de trégua nas preocupações com a guerra comercial após declarações de Donald Trump sobre um acordo com a China. Às 12h28, a moeda norte-americana caía 1,84%, vendida a R$ 3,8491. Veja mais cotações. Na mínima do dia, a moeda chegou a R$ 3,8436. O dólar turismo (sem cobrança de IOF) era vendido a R$ 4,02. Em entrevista à Reuters, Trump afirmou que estão ocorrendo negociações com Pequim por telefone e que ele não elevará as tarifas sobre importações chinesas até que esteja certo sobre um acordo. Trump também afirmou que vai intervir no caso do Departamento de Justiça contra a executiva da chinesa Huawei Technologies se for do interesse da segurança nacional ou ajudar a fechar um acordo comercial. Um tribunal canadense concedeu na terça-feira fiança à vice-presidente financeira da Huawei enquanto ela aguarda audiência de extradição para os EUA. "Certo otimismo paira no ar após a notícia de que a vice-presidente financeira da Huawei teve pedido de liberdade condicional aceito por um juiz do Canadá", escreveu a Advanced Corretora, acrescentando que agradou a declaração de Trump de que poderá intervir no caso, segundo a Reuters. Como pano de fundo, os investidores monitoravam os desdobramentos do voto de desconfiança contra a primeira-ministra britânica Theresa May, que prometeu lutar para derrubá-lo e também para manter o cargo. Cenário local Internamente, agradou ao mercado a informação dada na véspera pelo deputado federal Rogério Marinho (PSDB-RN), futuro secretário da Previdência no governo Jair Bolsonaro, de que buscará a aprovação de uma reforma previdenciária nos seis primeiros meses do novo governo. Os investidores estão atentos ainda à sessão extraordinária do Tribunal de Contas da União (TCU) que vai avaliar o processo de revisão do contrato de cessão onerosa entre governo e Petrobras, num passo que pode abrir caminho para a realização de megaleilão no ano que vem. "O TCU já deu parecer favorável à revisão do contrato da cessão onerosa sem aval do Congresso, onde o projeto emperrou, depois que Estados e municípios entraram na roda para levar uma parte dos recursos", destacou a corretora H.Commcor em relatório. O BC vendeu nesta sessão 13,83 mil contratos de swap cambial tradicional, equivalente à venda futura de dólares. Desta forma, rolou US$ 5,532 bilhões do total de US$ 10,373 bilhões que vence em janeiro. Se mantiver essa oferta diária e vendê-la até o final da semana que vem, terá feito a rolagem integral. No dia anterior, a moeda norte-americana avançou 0,64%, vendida a R$ 3,920. Foi o quinto avanço seguido do dólar e o maior patamar desde 2 de outubro (R$ 3,9333).
Veja Mais

12/12 - Google divulga os termos mais buscados em 2018 no Brasil e no mundo
Copa do Mundo foi assunto e acontecimento mais buscado no país. Na lista 'O que é...?", o 1º lugar ficou com 'O que é fascismo?'. Bolsonaro ficou no Top 10 mundial. O Google divulgou nesta quarta-feira (12) os assuntos mais pesquisados em sua ferramenta de buscas na internet e as "tendências", ou seja, os termos cuja procura mais cresceu durante os últimos 12 meses. No Brasil, o termo mais buscado do ano foi “Copa do Mundo", seguido por "Big Brother Brasil", "Eleições 2018" e "Jair Bolsonaro". No mundo, Meghan Markle, esposa do príncipe Harry de Inglaterra, foi a pessoa que mais despertou interesse este ano; já o presidente eleito jair Bolsonaro foi o 6º nome mais pesquisado. Veja abaixo as principais buscas feitas no país em 2018 no geral e em cada categoria. Mbappé Pilar Olivares / Reuters Buscas Copa do Mundo Big Brother Brasil Eleições 2018 Jair Bolsonaro Horário de Brasília Greve dos caminhoneiros Luiz Inácio Lula da Silva Fernando Haddad Copa São Paulo de Futebol Júnior 2018 Stan Lee Como fazer Como fazer slime? Como fazer figurinhas no Whatsapp? Como fazer gasolina? Como fazer crepioca? Como fazer perguntas no Instagram? Como fazer bacalhau? Como fazer declaração de Imposto de Renda 2018? Como fazer kefir? Como fazer guacamole? Como fazer pipoca doce? Slime é um tipo de massa elástica, que pode ser produzida em casa pelas crianças Reprodução/TV Globo O que é O que é fascismo? O que é intervenção militar? O que é lúpulo? O que é Ursal? O que é Corpus Christi? O que é chaira? O que é afonia? O que é momo? O que é Encceja? o que é tuberculose ganglionar? Por quê? Por que a guerra na Síria? Por que votar no Bolsonaro? Por que ou porque? Por que não pode comer carne na Sexta-feira Santa? Por que Ibrahimovic não foi convocado? Por que não votar em Bolsonaro? Por que Nadja foi expulsa de A Fazenda? Por que a série Lúcifer foi cancelada? Por que o Amoedo não participa dos debates? Por que quarta-feira de Cinzas? Jair Bolsonaro foi o 4º termo mais pesquisado no Google no ano Estadão Conteúdo/Wilton Junior Acontecimentos Copa do Mundo Eleições 2018 Greve dos caminhoneiros Copa São Paulo de Futebol Júnior 2018 Campeonato brasileiro Prisão do Lula Horário de verão Caso Vitória Enem 2018 Julgamento do Lula Celebridades Sylvester Stallone Pabllo Vittar MC Loma Meghan Markle Roger Waters Letícia Almeida Douglas Sampaio Tata Amaral Cristiane Machado Priscila Tossan Séries La Casa de Papel Elite Riverdale Lucifer The 100 O Mecanismo The Good Doctor 3% Westworld Scandal Ana Clara, Gleici, Ayrton, Kaysar, BBB18, big brother brasil Reprodução/TV Globo Programas de TV e novelas Big Brother Brasil Segundo Sol O Outro Lado do Paraíso Deus Salve o Rei A Fazenda O Tempo não Pára The Voice Brasil As Aventuras de Poliana Orgulho e Paixão Tempo de Amar Tecnologia Motorola One iPhone X Zenfone 5 Moto G6 Moto G5 Galaxy J7 Galaxy J4 Galaxy J5 Sarahah iPhone 8 Plus Esportistas Kylian Mbappé Philippe Coutinho Henrique Dourado Mohamed Salah João Miranda Roberto Firmino Alisson Becker Douglas Costa Luka Modrić Lyoto Machida Times da série A Flamengo Palmeiras Corinthians São Paulo Grêmio Vasco da Gama Cruzeiro Santos Internacional Atlético Mineiro Mortes Stan Lee Avicii Mr. Catra XXXTentacion Marielle Franco Nara Almeida Vitória Gabrielly Mac Miller Eduardo Carneiro Anthony Bourdain Funkeira Jojo Todynho, do hit Que Tiro Foi Esse Divulgação Virou meme Que Tiro Foi Esse Fábio Assunção É verdade esse bilhete Jair Bolsonaro Neymar Jr. Copa do Mundo Dia do Amigo Lula Pikachu Akon Filmes A Freira Deadpool 2 Pantera Negra Vingadores: Guerra Infinita Venom Bohemian Rhapsody Um Lugar Silencioso Nasce uma Estrela Os Incríveis 2 Cinquenta Tons de Liberdade Música (Letras) Era uma Vez Que Tiro Foi Esse Dona Maria Vai Malandra O Sol Bohemian Rhapsody Mostra Tua Força, Brasil Notificação Preferida Mulherão da Porra Ousado Amor Meghan Markle foi o nome de personalidade mais pesquisado no Google em 2018 Gareth Fuller/Pool/Reuters Buscas no mundo Segundo o Google, os resultados referem-se às pesquisas que tiveram um aumento significativo no tráfego em um período sustentado em 2018 em comparação a 2017. "O ano na pesquisa tem como objetivo refletir os tópicos verdadeiramente exclusivos de 2018, e nos esforçamos para capturá-lo por meio da exploração dos novos e interessantes termos de pesquisa do ano. Os termos em alta tendem a identificar melhor o que as pessoas estavam curiosas em 2018 em relação a 2017", informou o Google. Duas listas globais do Google Trends 2018 trazem 'resultados' do Brasil. Jair Bolsonaro foi o 6º nome mais buscado entre os nomes mais pesquisados, e "greve dos caminhoneiros" foi o 9º acontecimento mais procurado. Veja abaixo as personalidades e os assuntos mais pesquisados no mundo em 2018 no Google: PEOPLE (GLOBAL) Meghan Markle Demi Lovato Sylvester Stallone Logan Paul Khloe Kardashian Jair Bolsonaro Brett Kavanaugh Hailey Baldwin Stormy Daniels Cardi B NEWS (GLOBAL) World Cupmore Hurricane Florence Mega Millions Result Royal Wedding Election Results Hurricane Michael Kavanaugh Confirmation Florida Shooting Greve dos caminhoneiros Government Shutdown
Veja Mais

12/12 - Espanha aumentará salário mínimo em 22% em 2019
Salário mínimo passará de 858 euros a 1.050 euros brutos (o equivalente a R$ 4.650). Pedro Sánchez, premiê espanhol, Juan Carlos Ulate/Reuters O primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez, anunciou nesta quarta-feira que decretará um aumento de 22% do salário mínimo para 2019, durante um conselho de ministros programado para 21 de dezembro em Barcelona. O aumento do salário mínimo sobre 12 meses, que passará de 858 euros a 1.050 euros brutos (o equivalente a R$ 4.650) a partir de 2019, será "o maior desde 1977", declarou o socialista Sánchez no Congresso. "Um país rico não pode ter trabalhadores pobres", destacou Sánchez, que com o aumento por decreto do salário mínimo busca materializar uma medida emblemática de seu projeto de orçamento para 2019, que ainda não conseguiu aprovar por falta de apoio no Parlamento. De acordo com o projeto de orçamento publicado em outubro, muito criticado pela oposição de direita, esta medida custará 340 milhões de euros ao Estado.
Veja Mais

12/12 - Trump diz que Fed não deveria elevar juros nos EUA, mas chama Powell de 'bom homem'
'Acho que seria insensato', disse o presidente dos EUA em entrevista. Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, durante reunião do G20 Reuters O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou na terça-feira (11) que será um erro se o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) elevar a taxa de juros quando se reunir na próxima semana, como esperado pelo mercado, dando continuidade às críticas ao banco central dos Estados Unidos. "Acho que seria insensato, mas o que posso dizer", disse Trump à Reuters em entrevista. Trump afirmou que precisa da flexibilidade de taxa de juros mais baixa para sustentar a economia dos EUA em meio à batalha comercial conta a China, e potencialmente contra outros países. "É preciso entender, estamos disputando algumas batalhas e estamos vencendo. Mas preciso de expansão também", disse ele. Trump escolheu Jerome Powell como chairman do Fed, mas tem se oposto repetidamente a ele desde que Powell assumiu o comando do banco central norte-americano em fevereiro. Em agosto, Trump disse à Reuters que não estava "animado" com as altas de juros promovidas por Powell. Trump adotou um posicionamento mais conciliatório em seus comentários sobre Powell nesta terça-feira, mas ainda criticou as políticas de seu escolhido para o cargo de maior poder do Fed. "Acho que ele é um bom homem. Acho que ele está tentando fazer o que acha melhor. Eu discordo dele", disse Trump. "Acho que ele está sendo muito agressivo, na verdade, agressivo até demais". Quando questionado sobre se ele está preocupado que possa haver uma recessão quando estiver concorrendo à reeleição em 2020, Trump apontou que outros fatores no mundo podem afetar a economia, incluindo os planos britânicos de deixar a União Europeia, conhecidos como Brexit, e a instabilidade na França. "Bem, você tem problemas no mundo, como o Brexit, como a França - um grande problema na França. É chocante ver o que está acontecendo em Paris", disse Trump, fazendo referência aos protestos contra o governo e seu colega francês, Emmanuel Macron.
Veja Mais

12/12 - Trump não descarta intervir no caso Huawei para evitar conflito comercial
'Eu certamente intervirei se achar necessário', disse o presidente dos EUA. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, declarou nesta terça-feira (11) que poderá intervir no caso da executiva chinesa detida no Canadá se isto ajudar a solucionar o conflito comercial com Pequim. "Se eu acho que é bom para o país, se eu acho que é bom para o que será certamente o maior acordo comercial já feito - o que é uma coisa muito importante, o que é bom para a segurança nacional - eu certamente intervirei se achar necessário", disse Trump em entrevista à Reuters. Trump expressou otimismo de que poderá acertar um acordo comercial com o presidente da China, Xi Jinping, enquanto os dois países travam uma disputa que contribuiu para o recente declínio do mercado acionário dos EUA e levantou dúvidas sobre se a turbulência econômica poderá afetar o governo de Trump em 2019. Trump, que quer que a China abra seus mercados para mais produtos fabricados nos Estados Unidos e acabe com o que Washington chama de roubo de propriedade intelectual, disse que ainda não falou com Xi sobre a prisão da executiva da Huawei. Na esteira de seu encontro com Xi em Buenos Aires, Trump disse durante a entrevista que conversas comerciais com Pequim estavam em andamento por telefone, com mais prováveis reuniões entre autoridades norte-americanas e chinesas. Os Estados Unidos pediram a detenção e a extradição de Meng Wanzhou, chefe financeira do gigante chinês de telefonia móvel e telecomunicações Huawei, por violar as sanções contra o Irã. Sua detenção em Vancouver, no dia 1° de dezembro, elevou a tensão entre Washington e Pequim, que protagonizam uma guerra comercial. A executiva foi solta nesta quarta-feira (12), depois de passar 11 dias presa no Canadá, após pagar fiança de US$ 7,5 milhões. Huawei: por que a gigante chinesa virou alvo de vários países Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá Reprodução/TV Globo Intervenção Durante a entrevista, Trump disse que Meng poderia ser libertada. "Bem, é possível que muitas coisas diferentes aconteçam. Também é possível que seja parte das negociações (comerciais). Mas falaremos com o Departamento de Justiça, falaremos com a China, teremos muitas pessoas envolvidas", disse ele. Perguntado se gostaria de ver Meng extraditada para os EUA, Trump disse que queria primeiro ver o que os chineses pedem. Ele acrescentou, no entanto, que as alegações contra a Huawei são preocupantes. "Esse tem sido um grande problema que tivemos de tantas maneiras diferentes com empresas da China e de outros lugares", disse ele. Trump já interveio em nome de uma empresa chinesa antes. No começo do ano, ele revisou as multas aplicadas à empresa chinesa ZTE por mentir aos EUA depois que a empresa se declarou culpada de violar as sanções de Washington contra o Irã. Segundo Trump, a revisão ocorreu porque a fabricante da área de telecomunicações é uma grande compradora de componentes produzidos por fornecedores norte-americanos. Entenda o caso A chinesa foi presa no último dia 1º, no Canadá, a pedido dos Estados Unidos, mas a notícia só foi revelada na quarta-feira passada (5). Wanzhou foi presa em Vancouver, quando trocava de avião durante uma viagem de Hong Kong ao México. Meng, de 46 anos, que também é filha do fundador da Huawei, Ren Zhengfei, enfrenta acusações de fraude para violar sanções ao Irã impostas pelos EUA. A Justiça americana exige sua extradição por "conspiração para defraudar várias instituições financeiras". Ela é acusada pela justiça americana de mentir sobre o uso de uma subsidiária oculta para fazer negócios com o Irã, o que viola as sanções de Washington a Teerã. Se for considerada culpada, a executiva pode ser condenada a mais de 30 anos de prisão. Na última segunda (10), a chinesa pediu a liberdade condicional por questões de saúde, alegando sofrer de hipertensão. O governo americano queria sua extradição para os EUA. A primeira audiência de extradição foi fixada para 6 de fevereiro. Os Estados Unidos têm 60 dias a partir da detenção de Meng, em 1° de dezembro, para proporcionar toda a documentação necessária ao procedimento. Initial plugin text
Veja Mais

12/12 - Cade pede condenação de 16 empresas por cartel de trens e metrôs
Superintendência do órgão de defesa da concorrência concluiu que houve fraude em processos de licitação em pelo menos 27 projetos em SP, MG, RS e no DF. A Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) pediu nesta terça-feira (11) a condenação de 16 empresas e 52 pessoas por formação de cartel em licitações públicas de trens e metrôs. Segundo as investigações do órgão de defesa da concorrência, houve fraude em licitações de pelo menos 27 projetos em São Paulo, Distrito Federal, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. O caso será analisado pelo tribunal do Cade, responsável pela decisão final. (Veja lista das empresas envolvidas ao final da reportagem) O parecer ainda precisa ser avaliado pelo Tribunal do Cade. Se forem condenadas, as empresas poderão pagar multas de até 20% do valor de seu faturamento bruto e as 52 pessoas, penas que vão de R$ 50 mil a R$ 2 bilhões. De acordo com o parecer da superintendência, empresas e funcionários interferiram no resultado das licitações – dividiram concorrências e combinaram valores das propostas. Ainda segundo as investigações, as fraudes incluíram institutos formalmente legais, como a formação de consórcio e a subcontratação, para dar uma aparência de competição ao cartel. Trem da Linha 5 do Metrô de São Paulo em estação Abraão Cruz/TV Globo São Paulo As investigações começaram em maio de 2013. O Cade obteve autorização judicial para operação de busca e apreensão na sede de empresas suspeitas de participarem do cartel depois de acordo de leniência firmado com a Siemens, Ministério Público Federal e Ministério Público do Estado de São Paulo. A análise do material apreendido resultou na instauração do processo administrativo. De acordo com o Cade, os contatos ilícitos começaram em 1998, no processo de licitação da Linha 5 do Metrô de São Paulo. Na época, as empresas Siemens, Siemens AG, Alstom, Alstom Transport, DaimlerChrysler (atualmente Bombardier), CAF, Mitsui e TTrans teriam combinado dividir a concorrência da licitação. Outros processos fraudulentos foram identificados pelo Cade em 2000, nas licitações para manutenção dos trens das séries 2000, 3000 e 2100. Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Nos anos 2007 e 2008, de acordo com o Cade, ocorreu outra rodada de negociações entre as empresas para dividir o objeto de novas licitações da CPTM para contratação de serviços de manutenção. Teriam participado do acordo Alstom, Bombardier, CAF, Siemens, Temoinsa, Tejofran, TTrans, além de MPE e MGE. A investigação também concluiu que houve o mesmo procedimento em 2009 e depois, entre 2011 e 2013 na manutenção de outras séries da CPTM com as mesmas empresas. A extensão da Linha 2 do metrô de São Paulo também teve processo de licitação afetado por cartel, segundo a investigaçõ do Cade. Em nota conjunta, o Metrô e a CPTM dizem que "são vítimas da denúncia investigada pelo Ministério Público. Por isso, colaboram com o processo. A Procuradoria Geral do Estado investiga o caso e irá solicitar ressarcimento aos cofres públicos frente comprovação das irregularidades. O Metrô e a CPTM são os maiores interessados na apuração das denúncias de formação de cartel ou de conduta irregular de agentes públicos e, assim, continuam à disposição das autoridades para prestar os esclarecimentos necessários". A Siemens disse que "está cooperando com as autoridades brasileiras e não comenta investigações em andamento". Distrito Federal De acordo com a investigação da superintendência do Cade, em 2005, houve acordo entre consórcios no projeto de manutenção da Companhia do Metropolitano do Distrito Federal. O acordo entre o Consórcio Metrô Planalto (Alstom, IESA e TC/BR) e o Consórcio Metroman (Siemens e Serveng), segundo o Cade, tinha como objetivo dividir o projeto com subcontratação do consórcio perdedor pelo consórcio vencedor. As empresas também supostamente acordaram que os preços a serem apresentados na licitação, de acordo com a investigação. Porto Alegre e Belo Horizonte Segundo as investigações, em 2012, CAF e Alstom também dividiram licitações destinadas à aquisição de trens para os metrôs para a Empresa de Trens Urbanos (Trensurb) e pela Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) de Porto Alegre e Belo Horizonte, respectivamente. As empresas participaram das licitações, de acordo com o Cade, como um consórcio e definiram que a CAF ficaria com a maior parte do projeto da CBTU. Já em relação à licitação para a Trensurb, as empresas combinaram que a maior parcela do projeto ficaria com a Alstom. As companhias acusadas no processo são: Alstom Brasil Energia; Balfour Beatty Rail Power Systemsn Brasil; Bombardier Transportation Brasil; CAF Brasil Indústria e Comércio; MGE Equipamentos e Serviços Rodoviários; Hyundai-Rotem Brasil Indústria e Comércio de Trens; IESA Projetos Equipamentos e Montagens; Mitsui & Co Brasil; MPE - Montagens e Projetos Especiais; Procint Projetos e Consultoria Internacional; Serveng-Civilsan - Empresas Associadas de Engenharia; TC/BR Tecnologia e Consultoria Brasileira; Trans Sistemas de Transportes; Empresa Tejofran de Saneamento e Serviços; Temoinsa do Brasil; Lucy Elisabete Pereira Teixeira (representando Constech Assessoria e Consultoria Internacional). O que dizem as empresas acusadas A CAF informou que não comenta processos administrativos em andamento. A Alstom disse que o parecer do CAde contém apenas uma recomendação e não se trata de decisão final ou definitiva. "A Alstom avaliará em tempo hábil, após a decisão final do Cade, as medidas legais aplicáveis". A Tejofran diz que "aguarda o julgamento com a certeza de um desfecho favorável e frisa a idoneidade de suas práticas". A Trans disse que "não se pronuncia sobre processos em andamento". O G1 tenta contato com as demais citadas.
Veja Mais

12/12 - Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá
Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança foi fixada em US$ 7,5 milhões. Herdeira da gigante chinesa Huawei é solta após passar 11 dias presa no Canadá A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá. A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões). Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News. As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além disso, não poderá se ausentar de casa entre as onze da noite e as seis da manhã, segundo decisão do juiz. "O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse. A chinesa foi presa no último dia 1º, no Canadá, a pedido dos Estados Unidos, mas a notícia só foi revelada na quarta-feira passada (5). Wanzhou foi presa em Vancouver, quando trocava de avião durante uma viagem de Hong Kong ao México. Meng, de 46 anos, que também é filha do fundador da Huawei, Ren Zhengfei, enfrenta acusações de fraude para violar sanções ao Irã impostas pelos EUA. A Justiça americana exige sua extradição por "conspiração para defraudar várias instituições financeiras". Ela é acusada pela Justiça americana de mentir sobre o uso de uma subsidiária oculta para fazer negócios com o Irã, o que viola as sanções de Washington a Teerã. Se for considerada culpada, a executiva pode ser condenada a mais de 30 anos de prisão. Na última segunda (10), a chinesa pediu a liberdade condicional por questões de saúde, alegando sofrer de hipertensão. O governo americano queria sua extradição para os EUA. A primeira audiência de extradição foi fixada para 6 de fevereiro. Os Estados Unidos têm 60 dias a partir da detenção de Meng, em 1° de dezembro, para proporcionar toda a documentação necessária ao procedimento. Huawei: por que a gigante chinesa virou alvo de vários países A pedido dos EUA, polícia do Canadá prende executiva chinesa Reprodução/JN Ex-diplomata canadense é preso na China O anúncio da condicional aconteceu poucas horas depois da confirmação da detenção de um ex-diplomata canadense na China, o que aumentou a crise. "Sabemos que um canadense foi detido na China, estamos em contato direto com os chineses", afirmou Trudeau, quando questionado pela imprensa sobre informações de uma ONG sobre a prisão de Michael Kovrig, especialista canadense no nordeste asiático que já foi diplomata em Pequim, Hong Kong e nas Nações Unidas. Já o ministro da Segurança, Ralph Goodale, declarou estar "muito preocupado" com a prisão. Os Estados Unidos expressaram nesta terça sua "preocupação" com a prisão de Kovrig e pediram a Pequim que "detenha todas as formas de prisão arbitrárias". O porta-voz do departamento americano de Estado, Robert Palladino, exigiu "respeito às garantias e à liberdade de todos os indivíduos, de acordo com os compromissos internacionais da China em matéria consular e de direitos humanos". A China "não vai ficar de braços cruzados" se seus cidadãos forem "maltratados" no exterior, alertou o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, mais cedo nesta terça-feira. A ONG onde Kovrig trabalhou, o International Crisis Group (ICG), confirmou estar ciente das informações sobre sua prisão. "Faremos o possível para obter informações sobre o destino de Michael e conseguir sua libertação rápida e em toda segurança", declarou a organização de prevenção de conflitos. Initial plugin text
Veja Mais

12/12 - Qual o melhor investimento para uma pessoa conservadora e que acabou de ser demitida?
"Fui demitido da empresa onde trabalhava e tenho R$ 32 mil para investir. Sou conservador. Onde botar o dinheiro?" Qual o melhor investimento para uma pessoa conservadora e que acabou de ser demitida?
Veja Mais

12/12 - Prefeitura de Sapezal (MT) abre processo seletivo com 36 vagas
Há vagas para professores e outras funções com salário de até R$ 3,5 mil. Inscrições podem ser feitas pela internet Jonathan Lins/G1 A Prefeitura de Sapezal, a 473 km de Cuiabá, abriu processo seletivo simplificado para preencher 36 vagas temporárias e formar cadastro, em funções de níveis alfabetizado, médio e superior, na Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esportes. As contratações serão imediatas, com salários que vão de R$ 1.281,27 a R$ 3.548,47. As vagas para nível alfabetizado são para motorista de transporte escolar; secretário escolar e técnico de desenvolvimento infantil, nutricionista, professor e psicopedagogo. As inscrições começam nesta quarta-feira (12) e poderão ser feitas até o dia 2 de janeiro de 2019, no site do Instituto Selecon, organizador do processo seletivo. Será cobrada uma taxa de inscrição no valor de R$ 30 para a função de motorista; R$ 40 para as funções de nível médio e R$ 50 para as de nível superior. Os inscritos farão prova objetiva no dia 13 de janeiro de 2019. Para os candidatos à função de motorista haverá ainda uma prova prática e para os inscritos para a função de professor, a segunda etapa será a análise de títulos. O resultado preliminar está previsto para o dia 18 do mesmo mês. O resultado final deve ser divulgado no dia 2 de fevereiro de 2019 e a admissão dos convocados será feita entre os dias 5 e 6 de fevereiro.
Veja Mais

12/12 - Na última reunião do ano, Copom deve manter juro básico em 6,5% ao ano
Se confirmada a expectativa do mercado, esta será a sexta vez seguida que a taxa Selic ficará no mesmo patamar. Decisão deve ser anunciada após as 18h desta quarta-feira. O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central fará nesta quarta-feira (12) a última reunião do ano. A expectativa do mercado financeiro é que a taxa básica de juros da economia, a Selic, seja mantida em 6,5% ao ano. Se a previsão do mercado se confirmar, esta será a sexta manutenção seguida da taxa, que está no menor nível desde 1986, quando começa a série histórica do Banco Central. A decisão do Copom deve ser anunciada após as 18h desta quarta-feira. Com a inflação sob controle, a expectativa das instituições financeiras é que a taxa de juros começará a ser elevada pelo Copom somente em setembro do ano que vem – quando deve subir para 7% ao ano. Até o início de novembro deste ano, a previsão era que os juros começassem a subir em maio de 2019. Para o fim do próximo ano, a expectativa dos economistas do mercado financeiro é que a taxa Selic fique em 7,5% ao ano. Como a decisão é tomada A definição da taxa de juros pelo BC tem como foco o cumprimento da meta de inflação, fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Para 2018, a meta de inflação é de 4,5% e, para 2019, 4,25%. Quando as estimativas para a inflação estão em linha com as metas, o BC reduz os juros; quando estão acima da trajtetória esperada, a taxa Selic é elevada. Neste ano, a inflação segue relativamente sob controle, tendo registrado deflação (queda de preços) em novembro, e a expectativa é que assim permaneça também em 2019. A previsão dos economistas das instituições financeiras para a inflação de 2018 está em 3,71% e, para o ano que vem, em 4,07%, ou seja, ainda em linha com as metas de inflação. Na Ponta do Lápis: a taxa Selic e as perspectivas da economia brasileira Juros bancários elevados Embora os juros básicos estejam no menor patamar da série histórica do Banco Central, as taxas cobradas pelas instituições financeiras ainda seguem em patamares elevados. Reduzir os juros bancários é um dos desafios apontados por economistas para o próximo governo. Dados oficiais mostram que, em outubro, os juros bancários médios nas operações com pessoas físicas somaram para 51,9% ao ano, enquanto a taxa das empresas totalizou 20,4% ao ano. Em algumas modalidades, como no cheque especial e no cartão de crédito rotativo, os juros ficaram ao redor de 300% ao ano – patamar elevado para padrões internacionais. As altas taxas de juros, atualmente cobradas pelos bancos, inibem o consumo e também os investimentos na economia brasileira, avaliam analistas. Dados do BC mostram que os quatro maiores conglomerados bancários do país detinham, no fim de 2017, 78% de todas as operações de crédito feitas por instituições financeiras no país. Rendimento da poupança Se confirmada a nova manutenção dos juros nesta quarta-feira, o rendimento da poupança também deverá permanecer o mesmo. Pela regra atual, em vigor desde 2012, os rendimentos da poupança estão atrelados aos juros básicos sempre que a Selic estiver abaixo de 8,5% ao ano. Nessa situação, a correção anual das cadernetas fica limitada a um percentual equivalente a 70% da Selic, mais a Taxa Referencial, calculada pelo BC. A norma vale apenas para depósitos feitos a partir de 4 de maio de 2012. A medida visa evitar que a poupança fique mais atrativa que os demais investimentos, cujos rendimentos caem junto com a Selic. Sem o redutor, a poupança passaria a atrair recursos de grandes poupadores, que deixariam de comprar títulos públicos. Se o juro básico da economia continuar em 6,50% ao ano, a correção da poupança permanecerá sendo de 70% desse valor - o equivalente a 4,55% ao ano, mais Taxa Referencial. Segundo cálculos da Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), a poupança continuará sendo uma "excelente opção de investimento, principalmente sobre os fundos cujas taxas de administração sejam superiores a 1% ao ano". Analistas avaliam que o Tesouro Direto, programa que permite a pessoas físicas comprar títulos públicos pela internet, via banco ou corretora, sem necessidade de aplicar em um fundo de investimentos, também pode ser uma boa opção para os investidores. O programa tem atraído o interesse de aplicadores nos últimos anos.
Veja Mais

12/12 - Senado aprova mudança nas regras sobre indenizações pagas por empresas acusadas de cartel
Lei em vigor define que indenização será paga, mas não estipula valor; projeto prevê que quantia será correspondente ao dobro do prejuízo causado ao consumidor. Texto segue para a Câmara. A Comissão de Assuntos Econômicos do Senado aprovou nesta terça-feira (11) uma mudança nas regras sobre indenizações pagas por empresas acusadas de cartel. A prática de cartel consiste em duas ou mais empresas do mesmo setor atuarem para controlar o mercado e combinar preços dos produtos. Pela lei em vigor, as empresas acusadas de cartel têm de indenizar os consumidores, mas o valor não está definido. Pelo projeto aprovado pelo Senado, a quantia será correspondente ao dobro do prejuízo causado ao consumidor. Como a proposta tem caráter terminativo, seguirá direto para análise da Câmara dos Deputados, a menos que algum senador apresente recurso para o plenário do Senado votar o texto. Exceção Pelo projeto aprovado nesta terça-feira, a regra sobre as indenizações não valerá para empresas que assinem acordos de leniência ou o Termo de Compromisso de Cessação (TCC). A leniência é uma espécie de delação premiada das empresas, na qual a companhia reconhece atividades ilegais, colabora com as investigações e, em troca, pode assinar contratos com o poder público. No caso do TCC, o termo é assinado com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), órgão responsável por assegurar a livre concorrência. "Os signatários do acordo de leniência e do termo de compromisso de cessação de prática são responsáveis apenas pelo dano que causaram aos prejudicados, não incidindo sobre eles responsabilidade solidária pelos danos causados pelos demais autores da infração à ordem econômica", diz o texto aprovado. A lei em vigor estabelece multa de até 20% do valor do faturamento bruto da empresa em casos de infração. A multa nunca pode ser menor que a vantagem obtida pelo grupo. O projeto mantém as duas regras. O que diz o autor Na justificativa do projeto, o autor, senador Aécio Neves (PSDB-MG), argumenta que a legislação atual não protege as empresas que colaboram com as investigações. "Atualmente, não existe tal proteção ao agente que colabora com a investigação do CADE, havendo o risco de ser demandado por todo o dano imposto pelo cartel, em razão da solidariedade prevista", afirmou.
Veja Mais

12/12 - Câmara prorroga até 2023 incentivo fiscal para projetos nas áreas da Sudam e da Sudene
Áreas envolvem AL, BA, CE, ES, MA, MG, PB, PE, PI, RN, SE, AC, AP, AM, MA, MT, PA, RO, RR e TO. Texto já foi aprovado pelo Senado e segue para sanção; impacto pode chegar a R$ 10 bilhões. Deputados reunidos no plenário da Câmara durante a sessão desta terça-feira (11) Cleia Viana/Câmara dos Deputados A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (11) um projeto que prorroga até 2023 o incentivo fiscal concedido a projetos desenvolvidos nas áreas da Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (Sudam) e da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene). Como o projeto já foi aprovado pelo Senado e não foi modificado pela Câmara, seguirá para sanção presidencial. A Sudam e a Sudene envolvem 20 estados: Alagoas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Sergipe, Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins. Pelas regras em vigor, as empresas que constroem ou modernizam empreendimentos nessas áreas podem obter redução de até 75% do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ). O incentivo terminaria no fim deste mês. De acordo com a Consultoria de Orçamento da Câmara, a renúncia fiscal com a prorrogação da medida pode chegar a R$ 10 bilhões. Pela proposta, o benefício fiscal poderá ser estendido a empreendimentos nas áreas da Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco), que abrange Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e o Distrito Federal. 'Pauta-bomba' Durante a sessão, o líder do governo na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), afirmou que o projeto não configura "pauta-bomba", termo utilizado para propostas que reduzem a arrecadação do governo ou geram despesas extras. Segundo Ribeiro, a renúncia fiscal já está prevista na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), enviada pelo governo ao Congresso. "Isso não é uma pauta-bomba. Muito pelo contrário: isso que nós estamos votando é cumprir um compromisso que todos nós assumimos quando votamos a Lei de Diretrizes Orçamentárias", ressaltou. O vice-líder do PSL Delegado Waldir (GO), aliado do presidente eleito Jair Bolsonaro, criticou a proposta. "Os parlamentares que concordarem em votar essa bomba atômica para as contas públicas com certeza ficarão maculados", declarou.
Veja Mais

11/12 - Grupo colombiano Aval recebe pedido de informação dos EUA por negócio com Odebrecht
A investigação envolve projeto de US$ 1,5 bilhão; investigações realizadas na Colômbia apontam que a Odebrecht pagou cerca de US$ 30 milhões em troca de contratos. O Grupo Aval, maior conglomerado financeiro da Colômbia, afirmou nesta terça-feira (11) que recebeu um pedido de informações do Departamento de Justiça dos Estados Unidos relacionado com uma investigação sobre um projeto rodoviário que uma filial desenvolveu com a Odebrecht. O Grupo Aval - controlado pelo magnata Luis Carlos Sarmiento Angulo - não divulgou que tipo de informação foi pedida pelo departamento norte-americano. Mas a companhia informou que a investigação envolve o projeto rodoviário Ruta del Sol II, da filial Corficolombiana , da Odebrecht e da Cass Constructores. O projeto envolve um contrato de 5 bilhões de pesos (US$ 1,574 bilhão). "O Grupo Aval informou ao departamento, através de seus advogados nos EUA, que cooperará com a investigação, assim como vem fazendo com outras entidades governamentais", disse o grupo em comunicado. A Odebrecht está no centro do maior escândalo de corrupção da América Latina desde que reconheceu em 2016 pagamento de propina a políticos e autoridades de uma dezena de países. Na Colômbia, a companhia pagou cerca de US$ 30 milhões em troca de contratos de infraestrutura, segundo investigações realizadas no país. Colômbia tenta proibir Odebrecht de fechar contratos públicos por 20 anos A investigação do departamento norte-americano se soma a outras que estão sendo realizadas por autoridades colombianas sobre a Odebrecht ter oferecido propina para obter o contrato, como sobre vários funcionários do Grupo Aval, incluindo Luis Carlos Sarmiento Gutiérrez, filho de Sarmiento Angulo.
Veja Mais

11/12 - Executiva da Huawei vai poder deixar cadeia após pagar fiança no Canadá
Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Justiça do Canadá decide libertar executiva chinesa A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, teve aceito o pedido de liberdade condicional, mediante pagamento de fiança. A chinesa foi presa no último dia 1º, no Canadá, a pedido dos Estados Unidos, mas a notícia só foi revelada na quarta-feira passada (5). A fiança estipulada pela Justiça canadense foi de US$ 7,5 milhões. A executiva também terá de entregar o passaporte. Ela foi presa quando seguia de Vancouver para o México. Meng, de 46 anos, que também é filha do fundador da Huawei, Ren Zhengfei, enfrenta acusações de fraude para violar sanções ao Irã impostas pelos EUA. Na última segunda (10), a chinesa pediu a liberdade condicional por questões de saúde, alegando sofrer de hipertensão. O governo americano queria sua extradição para os EUA. EUA x Huawei A chinesa Huawei é a maior fabricante de equipamentos de telecomunicações e a segunda maior fabricante de smartphones do mundo, depois de ter ultrapassado a Apple este ano. As tensões entre os EUA e gigante de tecnologia estão nos maiores níveis desde 2016, e foram agravadas pela guerra comercial entre americanos e chineses. Em agosto, o presidente Donald Trump, alegando preocupações com segurança nacional, assinou uma lei que proíbe agências do governo de usar produtos e serviços da Huawei e de sua concorrente chinesa ZTE. Em junho, legisladores dos EUA fizeram apelo ao Google para que empresa deixasse de fazer negócios com a Huawei, também alegando preocupações com a segurança nacional. Entre 2009 a 2014, a Huawei teria usado a empresa Skycom para realizar negócios no Irã, apesar das proibições dos EUA e da União Europeia. O governo chinês disse que nem o Canadá nem os EUA forneceram à China evidências de que Meng violou qualquer lei nesses dois países, e reiterou a exigência de que ela fosse libertada. Prisão de canadense na China Nesta terça, o primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, confirmou a prisão de um ex-diplomata de seu país da China e disse levar a questão "muito a sério". Não há informação se a medida se trata de alguma retaliação pela prisão de Meng. Apesar de Trudeau não identificar o preso, a emissora pública canadense "CBC" informou que se trata de Michael Korvig, um ex-diplomata que trabalha para o International Crisis Group (ICG). Initial plugin text
Veja Mais

11/12 - Vale anuncia compra de empresa de tecnologia de beneficiamento de minério por US$ 500 milhões
Mineradora assinou acordo com a Hankoe FIP para adquirir a New Steel; negócio ainda depende de aprovação. A mineradora Vale informou nesta terça-feira (11) que assinou um acordo com a Hankoe FIP para adquirir por US$ 500 milhões a New Steel, uma empresa que desenvolve tecnologias inovadoras de beneficiamento de minério de ferro. A New Steel, disse a maior produtora global de minério de ferro, possui atualmente patentes de processos de concentração a seco (FDMS, na sigla em inglês) em 56 países. "Essa tecnologia apoiará o desenvolvimento das iniciativas de 'pellet feed' de alta qualidade da Vale, incluindo o projeto de 'pellet feed' 20 Mtpa do Sistema Sudeste", disse a mineradora brasileira. A Vale tem focado em vendas de minério de ferro de maior qualidade, apoiada principalmente pelo projeto S11D, no Pará, em meio à forte demanda da China pelo produto menos poluente. Com uma forte geração de caixa pela venda do seu minério premium, a Vale anunciou na semana passada a compra de fatia majoritária na empresa de mineração Ferrous Resources por cerca de US$ 550 milhões. A Vale tem dito que utilizará parte de seus recursos para aquisições de menor porte. Segundo a Vale, a expectativa é de que a transação da New Steel seja concluída em 2019, sujeita à satisfação de certas condições precedentes, incluindo a aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).
Veja Mais

11/12 - Links em mensagens no WhatsApp 'envenenam' roteador de internet para roubar senhas bancárias
Campanha de ataque batizada de 'Novidade' lesa internautas que não atualizaram software ou não mudaram a senha do roteador de internet, alerta Trend Micro. Em parceria com o Google, WhatsApp irá mudar configurações de backup e por isso usuários que quiserem salvar suas conversas precisam fazer um backup antes de segunda-feira (12). AFP A fabricante de antivírus Trend Micro publicou um alerta de segurança detalhando um ataque que atingiu principalmente usuários brasileiros e que adultera o roteador de internet da vítima enquanto ela navega na internet. A adulteração serve para abrir caminho para o roubo de senhas, inclusive no acesso a serviços bancários. Chamado de "Novidade" pelos especialistas da empresa, algumas das páginas envolvidas no ataque foram divulgadas em mensagens do WhatsApp. Caso o ataque tenha sucesso, o código modifica a configuração de Domain Name System (DNS) do roteador. Essa configuração permite ao criminoso redirecionar o endereço IP no acesso a qualquer página da web. Dessa maneira, um acesso ao Google ou ao site do banco pode levar a vítima para um site clonado que vai solicitar a instalação de programas maliciosos ou até apresentar uma página falsa para preencher dados que serão enviados diretamente aos golpistas. É muito difícil de evitar contato com o código de ataque. Além de estar presente em sites maliciosos projetados pelos criminosos, ele também foi incluído em campanhas publicitárias. Essa tática, conhecida como "malvertising", faz com que o peças publicitárias veiculadas em vários sites carreguem o código de ataque junto com a imagem ou texto publicitário. Como o alvo do ataque é o roteador, todos os dispositivos conectados na mesma rede podem acabar caindo nas páginas clonadas após o redirecionamento. Por exemplo, se um site com o código foi acessado em um notebook, um celular conectado à mesma rede Wi-Fi também verá as páginas clonadas. De acordo com o alerta, a palavra "Novidade" aparece em todos os códigos atuais envolvidos na ação e por isso foi escolhida para identificar o ataque. O código estaria em sua versão 3, que é mais sofisticada que as anteriores por ser capaz de atingir mais modelos de roteadores. As primeiras versões foram encontradas em agosto de 2017, mas os ataques ainda estão ocorrendo: algumas das mensagens fazem menção a temas da eleição. Como funciona o ataque O código de ataque do "Novidade" é um kit com 3 etapas. Ele é executado pelo navegador de internet (o Chrome, Edge, Firefox ou outro) quando uma página contendo o código é carregada. Como o código foi incluído também em anúncios publicitários, diversos sites podem ter veiculado o código como parte de sua publicidade, sem saber disso. De acordo com a Trend Micro, um dos links acumulou 24 milhões de acessos desde março. Diferente de outros ataques na web, o código não mira o computador ou celular da vítima. Em vez disso, na primeira etapa, ele tenta identificar o endereço IP do roteador de internet – o aparelho responsável por fornecer acesso Wi-Fi ou à internet. Depois que o IP foi identificado, o código relaciona o endereço às marcas e modelos que costumam usar aquele IP. Na sequência, para a segunda etapa do ataque, são feitas diversas tentativas para explorar as falhas de segurança conhecidas nos aparelhos. Se esses ataques tiverem êxito, o código ganhará o controle total do roteador. Na terceira etapa, o código tenta acessar o roteador usando combinações de usuário e senha padrão, que são configuradas por provedores de internet ou pelos fabricantes dos aparelhos. Caso o celular esteja no 4G no momento do acesso à página ou o kit de ataque não tenha sucesso na exploração das falhas ou no uso das senhas padrão, nenhuma modificação será feita e o ataque terá fracassado. Como se prevenir Assim como o celular e o computador, roteadores também recebem atualizações regulares dos fabricantes para corrigir as vulnerabilidades que são encontradas. Internautas devem pesquisar pelo modelo do equipamento no site do fabricante e averiguar se há atualizações. Caso haja alguma dúvida para realizar a atualização, deve-se procurar o suporte técnico do provedor de internet (caso seja um equipamento cedido em comodato) ou o próprio fabricante. A senha de administração do roteador também deve ser modificada. Utilizar qualquer senha diferente da senha que vem configurada de fábrica já fornecerá uma proteção adequada contra a maioria dos ataques. É difícil ter saber ao certo quais são os modelos atacados pelo "Novidade". De acordo com a Trend Micro, estes são alguns (mas não todos) os equipamentos que podem estar sob ataque: A-Link: WL54AP3 / WL54AP2 D-Link: DSL-2740R / DIR 905L Medialink: MWN-WAPR300 Motorola: SBG6580 Maxprint: GWR-120 Secutech: RiS-11 / RiS-22 / RiS-3 TP-Link: TL-WR340G / TL-WR340GD / WR1043ND V1 Equipamentos de conexão considerados obsoletos e que não mais recebem atualizações dos fabricantes são um risco para a segurança. Antes de efetuar uma compra, verifique junto ao fabricante se ele ainda recebe suporte e atualizações. Para verificar se o roteador foi atacado, é preciso entrar no painel de administração e conferir o IP do servidor de DNS. Roteadores que já foram atacados devem ser restaurados parar o padrão de fábrica (usando o botão "Reset" da unidade ou outro mecanismo descrito no manual de instruções), atualizados para o software mais recente e configurados com uma nova senha antes de serem novamente utilizados. Dúvidas sobre segurança, hackers e vírus? Envie para g1seguranca@globomail.com
Veja Mais

11/12 - Comissão da Câmara aprova texto da reforma tributária; projeto unifica 9 impostos e tributos
Com aprovação, texto seguirá para o plenário da Câmara e, depois, para o do Senado. Relator Luiz Carlos Hauly informou que projeto não altera a atual carga tributária. Uma comissão especial da Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (11) a proposta de reforma tributária. O principal item do projeto é a unificação de 9 impostos e tributos no Imposto Sobre Operações de Bens e Serviços (IBS) – entenda mais abaixo. Com a aprovação na comissão especial, o texto deverá ser analisado pelo plenário da Câmara e, depois, pelo do Senado. Por se tratar de emenda à Constituição (PEC), a proposta não pode ser promulgada pelo Congresso Nacional neste ano. Isso porque estão em vigor até 31 de dezembro dois decretos de intervenção federal: um no Rio de Janeiro e um em Roraima. Com isso, a reforma tributária só pode entrar em vigor a partir de 2019. Mesmo assim, dificilmente a PEC seria aprovada ainda este ano, pois precisa ser aprovada em dois turnos na Câmara e em mais dois turnos no Senado, respeitando os períodos de interstício (intervalo entre as sessões). O recesso parlamentar deve começar na próxima semana. A proposta Principal medida da reforma tributária, o Imposto Sobre Operações de Bens e Serviços (IBS) unificará: Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS); Imposto Sobre Serviços (ISS); Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI); Programa de Integração Social (PIS); Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins); Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide); Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep); Imposto sobre Operações Financeiras (IOF); Salário-educação. De acordo com o relator, Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR), o IBS tem como modelo o imposto sobre valor agregado já existente na Europa e no Canadá. O imposto será recolhido no ato do pagamento, numa conta débito/crédito vinculada da empresa junto à Receita. Para o relator, a medida dificulta a sonegação fiscal. Manutenção da carga tributária De acordo com o relator, a atual proposta não altera a atual carga tributária, ou seja, o patamar de impostos pagos em relação à riqueza do país, cerca de 32% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2016. A ideia, disse Hauly, é que a arrecadação da União, dos estados e dos municípios seja mantida em percentuais proporcionais aos registrados nos últimos anos. Desburocratização O relator já havia apresentado o parecer sobre o tema há duas semanas, mas houve pedido de vista (mais tempo para análise), o que adiou a votação. Nesta terça, Hauly apresentou complemento. No entanto, o texto final ainda não estava pronto até a última atualização desta reportagem. Segundo explicou ao G1, foram feitas pequenas mudanças e os principais pontos do parecer anterior estão mantidos. Segundo o relator, a proposta irá simplificar a cobrança de tributos no país. "Vai desburocratizar e acabar com a sonegação de impostos, que gera a dívida ativa, ao implantar a cobrança e fiscalização eletrônica", afirmou. Ainda na avaliação dele, a reforma irá acabar com a guerra fiscal entre estados e municípios com a unificação dos impostos e tornará as empresas brasileiras mais competitivas.
Veja Mais

11/12 - Petrobras vai demitir mais de 50 empregados nos EUA após acordo com Murphy, diz agência
Na nova empresa, a brasileira terá 20% e a companhia dos EUA, 80%. A Petrobras America, subsidiária da Petrobras, vai demitir mais de 50 empregados, ou mais de 33% de sua força de trabalho em uma unidade de Houston, Texas, entre 28 de fevereiro e 31 de outubro de 2019, segundo documento visto pela Reuters. O movimento ocorre como resultado da formação de uma joint venture em produção de petróleo nos Estados Unidos entre a Petrobras America e a norte-americana Murphy, segundo o documento, uma carta da área de Recursos Humanos da estatal aos funcionários. Na nova empresa, a brasileira terá 20% e a companhia dos EUA, 80%. A criação da joint venture foi concluída no início deste mês. Por meio do negócio, todos os ativos de petróleo e gás natural em produção situados no Golfo do México de ambas as empresas foram agregados na joint venture. "É importante notar que a Petrobras America não faz parte de um sindicato nem está desrespeitando direitos aplicáveis. Adicionalmente, para ser observado, todos os empregados afetados foram notificados", disse a Petrobras, no documento. A Petrobras America não comentou o assunto. No Texas, a Petrobras ainda negocia a venda da refinaria de Pasadena para a norte-americana Chevron, de acordo com informações publicadas pela Reuters ao final de outubro, com base em fontes com conhecimento do assunto.
Veja Mais

11/12 - Curso online fora do expediente conta como hora extra, decide TST
Para 1ª e 2ª instâncias, pagamento não era necessário porque treinamento era facultativo. Turma do TST entendeu que tempo deve ser compensado porque curso era obrigatório para promoção. A Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST) decidiu por dois votos a um que um curso online feito por empregado fora do expediente deve ser contabilizado como hora extra, mesmo se não for de participação obrigatória. Para os ministros, quando o curso for exigido para a promoção na função, o tempo utilizado pelo trabalhador sempre deve configurar tempo à disposição do empregador e, por isso, deve ser compensado. Ainda cabe recurso da decisão ao próprio TST e ao Supremo Tribunal Federal (STF). No caso específico julgado pela turma, uma bancária entrou com ação contra a empresa para pedir pagamento de horas extras em razão de cursos preparatórios realizados pela internet que eram requisito para promoção na carreira. Na primeira instância e na segunda instância da Justiça do Trabalho, a trabalhadora teve os pedidos rejeitados porque as duas instâncias consideraram que o curso era facultativo, ou seja, que o banco não obrigava que os empregados participassem do treinamento. Mas ela recorreu ao TST. O relator do caso no tribunal, ministro Hugo Carlos Scheuermann, lembrou que a Justiça do Trabalho já deu decisões favoráveis a trabalhadores em situações semelhantes e frisou que o fato de o curso ser necessário para promoção torna o pagamento obrigatório. "Considerando que a realização dos cursos era critério para promoção na carreira, não há como entender facultativa a participação do empregado", afirmou o relator, que foi acompanhado por outro magistrado da turma.
Veja Mais

11/12 - Fintech Neon mais que dobra base de clientes 7 meses após BC liquidar banco parceiro
Neon retomou a emissão de cartões de crédito e de crédito pessoal; no mês passado, começou a operar com contas para pequenas e médias empresas. A fintech Neon mais do que dobrou sua base de clientes neste ano, para 1,6 milhão, enquanto entra em novos segmentos e se prepara para uma nova rodada de captação por investidores. O movimento acontece sete meses após seu então parceiro bancário homônimo do Neon ter sido liquidado pelo Banco Central, por comprometimento da situação econômica-financeira e violações às normas legais. Banco Neon Reprodução/Facebook/Banco Neon O episódio colocou momentaneamente em xeque - a Neon ficou por algumas dias impedida de abrir novas contas - um dos ícones dos chamados bancos digitais, plataformas que ganharam popularidade no Brasil oferecendo contas bancárias sem tarifas. "O modelo de fintechs no Brasil mostrou que é seguro e funciona", disse à Reuters o diretor de operações da Neon, Jean Sigrist. Então com cerca de 600 mil clientes, a fintech rapidamente fez parceria com outra instituição financeira, o Banco Votorantim. Pelo sistema adotado pelo BC, fintechs são autorizadas a operar no país desde que ligadas a uma instituição financeira detentoras de licença. Fintechs atraem investimentos e avançam em mercado dominado por grandes bancos 'Estamos no primeiro minuto do primeiro tempo', diz fundador do Nubank Segundo Sigrist, quando o público percebeu que as atividades da fintech eram segregadas do banco, as aberturas de contas logo retomaram o ritmo. Nos meses seguintes, a Neon retomou a emissão de cartões de crédito e de crédito pessoal. No mês passado, começou a operar com contas para pequenas e médias empresas. Além das contas de pagamentos, a Neon também tem cerca de 50 mil pessoas físicas que investem em produtos de investimentos distribuídos por ela. Como entrou num ciclo de lançamentos mais intenso do que imaginava no começo do ano, a fintech começou a preparar terreno, sondando investidores no exterior para buscar mais recursos para financiar novos investimentos. "Vamos para uma possível nova rodada de captação no ano que vem", disse Sigrist. Em maio, um dia antes da intervenção do BC no banco parceiro, a Neon tinha anunciado uma captação de US$ 22 milhões dos investidores Propel Venture Partners, Monashees, Quona Capital, Omidyar Network, Tera e Yellow Ventures. Como parte da operação, o controle acionário passou a ser exercido por uma holding britânica.
Veja Mais

11/12 - Justin Trudeau confirma prisão de ex-diplomata canadense na China
Michael Kovrig, especialista no nordeste asiático, já foi diplomata em Pequim, Hong Kong e nas Nações Unidas. Países enfrentam tensão desde a prisão da executiva chinesa Meng Wanzhou no Canadá, em 30 de novembro. O primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, confirmou nesta terça-feira (11) a prisão de um ex-diplomata de seu país da China e disse levar a questão "muito a sério". "Sabemos que um canadense foi detido na China, estamos em contato direto com os chineses", afirmou, quando questionado pela imprensa sobre informações de uma ONG da prisão de Michael Kovrig, especialista canadense no nordeste asiático que já foi diplomata em Pequim, Hong Kong e nas Nações Unidas, de acordo com a France Presse. A prisão ocorre em um momento de tensão entre os dois países, após a prisão da executiva chinesa Meng Wanzhou no Canadá em 30 de novembro. Apesar de Trudeau não identificar o preso, a emissora pública canadense "CBC" informou que trata-se de Michael Korvig, um ex-diplomata que trabalha para o International Crisis Group (ICG). Segundo a "CBC", Kovrig foi o responsável por organizar a viagem que o primeiro-ministro do Canadá realizou à China em 2017.
Veja Mais

11/12 - Câmara aprova criação de operadora de crédito para MEI e micro e pequenas empresas
Projeto autoriza oferta de crédito exclusiva para pequenos empreendedores . O mesmo texto também estabelece procedimentos simplificados para abertura e fechamento de startups. A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (11), por unanimidade, projeto de lei complementar que cria a chamada "empresa simples de crédito", que poderá oferecer empréstimos e financiamentos para microempreendedores individuais, microempresas e empresas de pequeno porte. O texto aprovado nesta terça no plenário da Câmara por 357 deputados será encaminhado agora para análise do Senado. O relator da proposta, deputado Otávio Leite (PSDB-RJ), explicou que a "empresa simples de crédito" será uma nova modalidade de empréstimo que permitirá que pessoas que tenham dinheiro para emprestar possam firmar contratos de crédito com outros pequenos empreendedores. Ainda segundo o relator, essas operações terão de ser informadas ao Banco Central. O texto também estabelece regras legais específicas para as chamadas startups (empresas, geralmente na área de tecnologia, que ainda estão iniciando a operação no mercado). O mesmo projeto cria o Inova Simples, um regime especial simplificado para agilizar a criação, o desenvolvimento e o encerramento deste tipo de empreendimento. O objetivo, ressalta o relator, é estabelecer um rito sumário para abertura e fechamento das empresas enquadradas como startups. Esses procedimentos serão realizados por meio de um portal do governo federal. “Ela [a proposta] combate radicalmente a burocracia e traz o Estatuto da Microempresa para o século 21”, enfatizou Otávio Leite. Fundos de idosos Nesta terça-feira, os deputados também aprovaram um projeto de lei que permite que pessoas físicas doem a fundos controlados por conselhos municipais, Estaduais e nacional de idosos. Essa doação poderá ser feita diretamente na Declaração de Ajuste Anual do Imposto de Renda. A proposta foi aprovada pelos deputados exatamente como foi encaminhada pelo Senado. Agora, o texto seguirá para sanção ou veto presidencial.
Veja Mais

11/12 - IBGE aumenta previsão de safra de café do Brasil, com revisão em dados de MG
Produção é estimada em 59,6 milhões de sacas de 60 kg. Minas é o principal estado produtor da variedade arábica. Em Minas Gerais, total de café a ser colhido cresceu 3,5%, para 31,4 milhões de sacas, o equivalente a 70% do total produzido no país Reprodução/TV Globo O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) estimou nesta terça-feira (11) a produção de café do país em 2018 em um recorde de 59,6 milhões de sacas de 60 kg, aumento de 1,7% em relação ao mês anterior, com uma reavaliação da safra em Minas Gerais, principal estado produtor da variedade arábica. A produção de arábica do Brasil foi estimada em 44,8 milhões de sacas, aumento de 2,5% em relação ao mês anterior, após uma alta de 3,5% no total a ser colhido em Minas Gerais. A produção mineira deve alcançar 31,4 milhões de sacas, com participação de 70,2% do total produzido no Brasil. Em relação ao ano anterior, a produção do café arábica apresentou crescimento de 28,2%. "A excelente safra decorreu da bienalidade positiva, do clima mais chuvoso nas principais regiões produtoras e dos maiores investimentos em tratos culturais realizados pelos produtores", disse o IBGE em nota. Com a revisão, a estimativa do instituto ficou bem próxima da estimativa da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), de 59,9 milhões de sacas. A Conab deve atualizar seus números da safra 2018 na próxima terça-feira. Para o café conilon, a produção pelo IBGE foi estimada em 14,8 milhões de sacas de 60 kg, queda de 0,5% ante o mês anterior. Em novembro, houve redução das safras de Rondônia (1,2%) e Minas Gerais (12,3%). Em relação ao ano anterior, a produção do café conilon apresentou crescimento de 30,4%, sendo que os aumentos mais consideráveis foram informados por Espírito Santo (53%) e Bahia (15,7%), após uma seca que atingiu esses Estados em anos anteriores. A grande safra tem permitido embarques mensais recordes de café do Brasil. Ao todo, a produção de cereais, leguminosas e oleaginosas no Brasil deve crescer 1,7% em 2019, chegando 231,1 milhões de toneladas, segundo o IBGE.
Veja Mais